Portugal
"O nosso rival da Segunda Circular agora aprendeu a jogar dentro do banco"
2024-05-29 11:50:00
"Senti sempre que o campo estava muito inclinado", admite gestor e conhecido benfiquista Mauro Xavier

A época oficial de clubes em Portugal está fechado, no que às grandes decisões diz respeito. O Sporting foi campeão nacional, o FC Porto ficou com a Taça de Portugal e a Taça da Liga viajou para Braga. Quanto à Supertaça Cândido de Oliveira repousa no museu Cosme Damião, depois de o Benfica a vencer diante do FC Porto.

Apesar do investimento na equipa principal, com contratações mediáticas como foram os casos de Ángel Di María, ou Orkun Kökçü, e as verbas aplicadas em Arthur Cabral e outros reforços, o Benfica não conseguiu revalidar o título de campeão, nem fez uma caminhada de sucesso na Liga dos Campeões.

"Rival da Segunda Circular aprende a jogar dentro do banco"

O Benfica terminou a temporada com um troféu conquistado e com a presença garantida na fase de grupos da Liga dos Campeões, aproveitando a ajuda da Atalanta que venceu a Liga Europa e ficará classificada para a Champions através de uma posição da Serie A.

Mauro Xavier, gestor e conhecido associado do Benfica, espera que na nova temporada as coisas possam correr de forma diferente para o clube da Luz, agora que se encerra o ciclo no futebol nacional.

“Eu acho que terminou agora um ciclo, que é um ciclo longo, que eu acho que é um ciclo mau do futebol português conhecido como o reinado dos 40 anos, em que se jogou muita das vezes mais fora de campo do que dentro de campo”, comentou Mauro Xavier, deixando um recado para o Sporting.

“Infelizmente, o nosso rival da Segunda Circular agora aprendeu a jogar dentro do banco versus fora do banco”, apontou Mauro Xavier, em declarações no podcast da Sports Tailors.

"O campo estava muito inclinado"

E Mauro Xavier procurou justificar a ideia. “Senti sempre que o campo estava muito inclinado e não jogávamos todos da mesma maneira. Uns com ajudas externas de árbitros com muita pressão e muito condicionamento do futebol das instituição, nomeadamente da Federação Portuguesa de Futebol, o seu Conselho de Disciplina e o seu Conselho de Arbitragem a terem um peso muito significativo naquilo que vinham a ser os resultados em campo.”

Mas o conhecido benfiquista sentiu outro tipo de apoio. “E também na forma em que se podem constituir os seus plantéis e pagar os seus ordenados. Um perdão de 100 milhões de euros condiciona aquilo que é a verdade desportiva”, referiu Mauro Xavier, ele que já admitiu que mudaria o treinador do Benfica, se pudesse.

Nesse sentido, Mauro Xavier referiu que, por exemplo, "a pressão que existe num treinador do Benfica é muito diferente da que existe num do Sporting".