Portugal
O homem que tentou "destruir" o Sporting
Mauro
2018-10-22 15:25:00
É filho de Mário, jogador que passou pelo Sporting entre 86 e 88.

Chama-se Mário Coelho Júnior – chamam-lhe Juninho, no futebol – e é um rapaz que tem estado na berlinda, nos últimos dias, depois de ter sido ele quem mais fez por “destruir” o Sporting, na Taça de Portugal. No sábado, o médio do GS Loures entrou aos 59 minutos, com o resultado em 2-0 a favor dos leões, e não só mexeu com o jogo como mostrou pormenores interessantes. Acima de tudo isto: isolou um colega que poderia ter feito o primeiro golo e ainda fez, ele próprio, o golito do Loures.

Fomos tentar saber quem é, afinal, este Juninho, filho de Mário, jogador que passou pelo Sporting entre 86 e 88. Falámos com Júnior Franco, Gil Dias, Tiago Osório e Leonel Cunha, ex-colegas de equipa e, apesar de as historinhas não serem das mais bizarras que já por aqui andaram, ficámos a saber umas coisas giras.

Uma delas, pelo que nos diz o Gil Dias, atual jogador do SC Espinho, era com música à mistura. “Ele dançava sempre muito, no balneário. E tem jeito!”, dispara. Antes disto, vamos ao futebol. Juninho acabou por ser um dos destaques do jogo: entrou, isolou Miguel Oliveira – que desperdiçou – e fez o 2-1. Os jornais desportivos reconheceram o trabalho do jogador.

“A idade já está um pouco avançada, mas, para mim, merecia”

Juninho tem 27 anos e a pergunta é evidente: poderia ter ido mais longe na carreira?

“Sim, sem dúvida, o Juninho poderia ter jogado num nível bem superior ao do Campeonato de Portugal”, defende Gil Dias, numa visão corroborada por Tiago Osório, que reconhece que a idade, ainda que não seja muito avançada, poderá já não permitir grandes voos: “Óbvio que sim, pode chegar a outros patamares. A idade já está um pouco avançada, mas, para mim, merecia. E muito”.

Pedimos ainda que nos explicassem quem é este craque que já passou por Brasil, Suíça, Espanha e que está há três temporadas no Campeonato de Portugal (Lusitano, Gafanha e Loures). Pelo que nos dizem, parece mesmo ser craque.

“Define-se, essencialmente, como um jogador de toque, tecnicista, que gosta preferencialmente de ter bola no pé e, a partir daí, poder definir os lances em drible ou com passes que deixam os colegas na cara do golo (exemplo disso foi aquele lance ainda antes do golo). Não se pode dizer que seja um jogador com muita amplitude de movimentos sem bola – embora conseguisse fazer golo precisamente num movimento de rotura em profundidade –, mas consegue fazer a diferença com ela nos pés e quando lhe dão espaço para isso é realmente perigoso”, detalha Júnior Franco, jogador da AD Fafe.

Quem nos detalhou bastante as qualidades de Juninho foi Lio Cunha, atual jogador do Montalegre. “O Juninho tem condições para jogar num patamar superior ao Campeonato de Portugal. É muito evoluído tecnicamente e sabe interpretar muito bem os momentos do jogo, pois tanto sabe jogar em profundidade (exemplo do golo frente ao Sporting), como quando procurar espaços interiores. Quando tem a bola em sua posse é muito difícil tirar-lha e é um jogador que “cheira” o golo, como se vem comprovando nas últimas épocas. É um privilégio uma equipa deste campeonato poder ter um jogador do seu valor”.

Para além de ter muito golo, algo que Gil Dias e Tiago Osório também destacam, Juninho é bastante completo: “Tem muita qualidade, é irreverente e muito inteligente. Passa bem, chuta bem e segura muito bem a bola quando a equipa precisa”, elogia Osório.

Gil Dias recorda-nos que, nas últimas temporadas, Juninho fez sempre muitos golos. E fez, de facto. Apesar de ser médio, nunca ficou abaixo dos seis golos por temporada e, em 2016/17, no Algarve, no Lusitano VRSA, chegou mesmo aos 16 golos no Campeonato de Portugal. Nada de se deitar fora…

“Nem sequer o vi falar noutra coisa sem ser futebol”

Como pessoa, Juninho parece ter um tipo alegre e divertido. Pelo menos todos destacam esse lado.

“Toda a gente gostava do Juninho. É boa pessoa, bom colega de balneário, muito divertido e era raro o dia em que não estava alegre”, diz-nos Gil Dias, tal como Tiago Osório: “O Juninho é um miúdo muito simpático e faz um excelente balneário”. Lio Cunha, apesar de considerar que Juninho até nem era muito extrovertido, tinha os seus momentos engraçados.

Apesar de se dizer mais português do que brasileiro, pelo tempo que cá jogou, Juninho não enjeita a hipótese de sair de cá. E esteve quase, recentemente. “No ano em que joguei com ele, quase foi transferido duas vezes, mas acabou sempre por ficar. No início da época passada não se apresentou na pré-época, porque ia para fora. A meio da época foi novamente "quase transferido", desta vez para o Cazaquistão, mas acabou por falhar e fez a época toda na Gafanha”, recorda Júnior Franco, que nos garante que, para Juninho, a vida faz-se de futebol. Hobbies ou outros talentos? “Nada. Nem sequer o vi falar noutra coisa sem ser futebol”.

Para terminar, Tiago Osório diz-nos que Juninho gosta de passear muito. No sábado, Juninho passeou no relvado de Alverca. Passeou por entre os defesas do Sporting e, agora, com o destaque que tem tido, resta-lhe esperar que venha por aí um convite para ir dar um passeio por um lugar maior do que o GS Loures.