Portugal
“O bobo sorri. O povo assiste. Ninguém faz nada”, escreve Mattamouros
2021-09-15 10:50:00
Sócio do Benfica que avançou com queixa com Vieira lamenta passividade em vésperas da AG e das eleições

Os acordos entre Luís Filipe Vieira, José António dos Santos (o empresário conhecido por ‘rei dos frangos’) e o investidor norte-americano John Textor voltaram à ribalta nos últimos dias, depois do ex-presidente do Benfica ter comunicado à SAD que recebeu uma oferta de quase 5,9 milhões de euros pela posição de 3,28 por cento que detém.

O Benfica, que tem direito de preferência sobre os 753.615 títulos de Vieira, adiantou que faltam “informações essenciais e necessárias” sobre essa oferta de 5,9 milhões de euros. O autor da proposta não foi identificado, mas de imediato essa oferta foi associada a John Textor, que continua atrás dos 23,1 por cento da SAD do Benfica na posse de José António dos Santos.

As trocas de informações e comunicados sucedem-se. O próprio John Textor veio a público esclarecer que suspendeu o acordo com José António dos Santos, uma vez que o Benfica tem eleições marcadas para 9 de outubro, de forma a resolver democraticamente o problema levantado pela saída de Luís Filipe Vieira da presidência.

Tudo isto vai ocorrendo numa altura em que a equipa lidera isolada o campeonato e garantiu a qualificação para a fase de grupos da Liga dos Campeões, tendo ainda defrontado o Dínamo, em Kiev (0-0), para a primeira jornada do Grupo E. Face ao sucesso desportivo neste início de época, os sócios do Benfica vão passando ‘ao lado’ do debate sobre as realidades da SAD e do clube, como lamentou Jorge Mattamouros.

Sem citar nomes, Jorge Mattamouros, o associado do Benfica que se tornou conhecido ao avançar para tribunal com uma queixa contra Luís Filipe Vieira (retirada na sequência da saída do ex-presidente), mostrou estar atento ao que se passa, não escondendo um certo desânimo por não serem exigidas responsabilidades a Vieira e outros administradores da SAD e dirigentes do clube, como Rui Costa, o presidente em exercício e apontado como candidato nas eleições de 9 de outubro.

“Um gangster e a sua ex-quadrilha trocam galhardetes na praça pública. O bobo da corte não percebe bem do que se trata, mas sorri, como lhe compete. O povo assiste, impávido. Ninguém faz nada: quem pode não quer, quem quer não pode. Pão e circo tratam do resto. Assim estamos”, escreveu Jorge Mattamouros, nas redes sociais.

O Benfica tem na próxima sexta-feira uma Assembleia Geral extraordinária (AGE), na qual será discutida e apreciada uma “proposta de regulamento eleitoral para as eleições”. Isto significa que, à data, não há regulamento para as eleições marcadas para 9 de outubro.

Essa ausência de regulamento eleitoral foi criticada por João Noronha Lopes, que nas eleições de outubro de 2020 recebeu cerca de um terço de votos, quando o ex-candidato anunciou que não iria novamente a votos.

“As regras das eleições apenas vão ser conhecidas a três semanas do dia da votação. O problema não é das eleições serem cedo de mais, é das eleições serem feitas à pressa e sem que se conheçam as regras pelas quais vão decorrer. Estes sinais não sugerem uma mudança relativamente às práticas que condenámos no passado”, disse Noronha Lopes, que não se candidata devido a “fortes razões familiares e profissionais”.