Portugal
"O árbitro não teve influência nenhuma e o resultado peca por escasso"
2024-03-02 14:45:00
"O Di Maria acaba por desbloquear muitos problemas do Benfica"

O dérbi entre Sporting e Benfica, a contar para a primeira mão das meias-finais da Taça de Portugal, não foi apenas um espetáculo de futebol de alta intensidade, mas também um campo de controvérsias e discussões inflamadas sobre as decisões do árbitro da partida, Fábio Veríssimo, que moldaram o resultado final de 2-1 a favor dos leões.

Desde o apito final do encontro que se realizou em Alvalade, as redes sociais tornaram-se palco de várias reações críticas por parte de adeptos de águias e leões, jogadores e ainda dirigentes de ambas as equipas, cada um a expressar a sua perspetiva sobre os lances-chave que marcaram o jogo.

O treinador do Benfica, Roger Schmidt, não escondeu a sua insatisfação com as decisões da equipa de arbitragem, especialmente na anulação do golo a Ángel Di Maria, tento que na altura daria o empate aos encarnados.

Em declarações após o jogo, o técnico alemão demonstrou claramente a sua descrença nas decisões de Veríssimo, lançando dúvidas sobre o impacto destas na derrota da sua equipa.

O presidente do Benfica, Rui Costa, também se manifestou à saída do Estádio de Alvalade, confrontando os jornalistas sobre o golo anulado ao campeão do mundo pela Argentina: "Digam vocês. Não era golo?", questionou o líder máximo dos encarnados.

Schmidt reclamou, Rui Costa também, tal como o próprio Di Maria, que reagiu ao lance através das redes sociais, criticando veemente a arbitragem do derbi das meias finais da prova rainha.

"O que podemos dizer de ontem, ficou à vista de todos o que se passou. Continuaremos a trabalhar para atingir os objetivos, sozinhos contra todos", pode ler-se numa publicação no Instagram de Ángel Di Maria.

"Querem-nos atirar areia para os olhos. O árbitro não teve influência nenhuma no resultado"

No entanto, nem todos concordam com as queixas do lado do emblema da Luz. Diogo Luís, antigo jogador do Benfica e agora comentador desportivo na CNN, analisou o dérbi entre águias e leões e defendeu que o árbitro não teve qualquer influência no resultado final.

Luís destacou a superioridade coletiva do Sporting, argumentando que, mesmo sem as polémicas decisões do árbitro, os leões poderiam ter vencido por uma margem ainda maior.

"Mais uma vez, o Sporting, coletivamente, foi muito, mas muito mais forte que o Benfica e o Benfica tem muito, mas muito mais opções do que o Sporting. E por isso é que o Benfica, de um momento para o outro, consegue virar um jogo, ou consegue equilibrar um jogo", começou por dizer o antigo lateral português.

A escolha tática de Roger Schmidt, que preferiu abdicar de uma referencia fixa no ataque, também foi alvo de críticas por parte do agora comentardor.

Diogo Luís apontou falhas na abordagem do treinador alemão, destacando que o Benfica poderia ter equilibrado o jogo de forma mais eficaz. A falta de aproveitamento das qualidades individuais dos jogadores benfiquistas foi evidenciada, especialmente no que diz respeito à posição de Rafa Silva.

"Deixem-me dizer, Roger Schmidt mexe muito mal na equipa. Não aproveita muitas das qualidades que os seus jogadores individualmente têm", observa o antigo lateral das águias.

"Uma equipa vive da imaginação e da criatividade. No jogo não apareceu o Rafa, porque não jogou na sua posição. Apareceu o Di Maria mais uma vez, pela sua qualidade, muito acima da média", acrescentou Luís.

"Acho que o resultado peca por escasso, pela vitória do Sporting"

Em contrapartida, a análise de Diogo Luís sublinhou a eficácia coletiva do Sporting, que não se resumiu apenas ao desempenho do avançado sueco Viktor Gyokeres. A equipa de Rúben Amorim mostrou-se sólida, criativa e capaz de condicionar o atual campeão nacional.

"Di Maria acaba por desbloquear muitos problemas do Benfica. E do outro lado, no Sporting não apareceu só o Gyokeres, apareceu uma equipa, apareceu um coletivo, apareceram movimentos bem trabalhados, apareceu uma equipa que conseguiu condicionar o Benfica, enquanto teve pernas e enquanto teve pulmão. Portanto, eu acho que essa é que é a realidade", destacou.

Apesar das queixas benfiquistas, sobretudo no golo anulado a Di Maria, Luís admitiu que o árbitro Fábio Veríssimo não teve influência no resultado final e, se houvesse uma equipa com razões de queixa da arbitragem, esta seria o Sporting.

"Infelizmente, querem-nos atirar areia para os olhos, querem fazer com que os adeptos pensem que, efetivamente, o Benfica foi muito penalizado, quando, na realidade, não foi", frisou o comentador.

"O golo foi perfeitamente invalidado. Se calhar se falassem do penalti a favor do Sporting, antes do golo do Pote, aí, eu acho que já há mais motivos para a dúvida", frisa o antigo jogador, fazendo referência a uma alegada falta de João Neves sobre Pedro Gonçalves.

"Mas, neste caso, não. Só se falou de um golo invalidado. Eu acho que o árbitro não teve influência nenhuma no resultado, e acho que o resultado peca por escasso, pela vitória do Sporting", rematou Diogo Luís.