Portugal
"Nunca aconteceu uma situação idêntica em que o Boavista não tivesse recuperado"
Redação
2021-04-30 19:20:00
Jesualdo Ferreira vê oposição ideal nos Açores para a equipa axadrezada recuperar confiança

O treinador Jesualdo Ferreira encarou hoje o encontro frente ao Santa Clara, no sábado, da 30.ª jornada, como o contexto “provavelmente ideal” para que os futebolistas do Boavista “recuperem confiança” na reta final da I Liga.

“É chegar e fazer aquilo que já fizemos noutros campos e momentos: competir, discutir o jogo e apresentar os nossos argumentos. Estou seguro de que, se o fizermos, e teremos de o fazer, pois não temos outra saída, será um jogo que pode pender para qualquer um dos três resultados”, frisou o técnico, em declarações nas redes sociais dos portuenses.

Depois do melhor ciclo da temporada, com três desafios invictos na primeira quinzena de abril, o Boavista registou derrotas consecutivas em Braga (2-1) e na receção ao Marítimo (1-0) e regressou ao lugar de acesso ao ‘play-off’ de manutenção no principal escalão.

“Já tivemos momentos nesta I Liga, mas, por vezes, tenho dificuldade em referi-los como um modelo, porque, infelizmente, não têm sequência. Neste momento, as decisões dos nossos jogos estão na cabeça dos jogadores. É claro e evidente que estamos preparados em termos táticos e na forma como podemos competir contra este oponente”, analisou.

Jesualdo Ferreira sente que as possibilidades de sucesso dos ‘axadrezados’ dependem “da forma como entrarem em campo e cumprirem um plano bem definido”, apesar de terem pela frente um oponente sereno na fuga à descida e com aspirações europeias.

“Este jogo é especial, porque vamos defrontar uma equipa que, na minha opinião, está entre as mais robustas da I Liga. É muito intensa e competitiva e tem um quadro tático muito simples, mas eficiente e eficaz. Divide resultados em casa, tem uma performance boa fora e foi sempre muito competitiva nas discussões com os ‘grandes’”, enquadrou.

Alertando que o terreno do Santa Clara “não é muito fácil quando há chuva e a previsão é de que isso possa vir a acontecer”, o experiente técnico quer voltar a ver um Boavista “melhor”, tal como contemplou no desafio da primeira volta (1-1), em janeiro, no Bessa.

“Tivemos um jogo interessante e empatámos, mas já pensávamos que iríamos ser uma equipa diferente da atual. Passaram muitos jogos e houve resultados melhores para eles e menos bons para nós. Nunca aconteceu para trás uma situação idêntica em que o Boavista não tivesse recuperado. Essa é a expectativa e esperança que temos”, notou.

O desaire com o Marítimo “quebrou uma linha em exibições e na conquista de pontos”, mas Jesualdo Ferreira espera uma reação “enérgica e, acima de tudo, qualitativa”, atestada no início de abril, depois da derrota caseira com o Farense (1-0), da 24.ª ronda.

“Houve dois jogos no último mês e meio que marcaram o trajeto do Boavista na segunda volta: um com o Farense, cujas expectativas eram grandes, e outro com o Marítimo, que não era expectável para ninguém. A verdade é que fomos capazes de reagir. A diferença face a episódios anteriores é que faltavam 10 jogos e agora restam cinco”, concluiu.

O Boavista, 16.º e antepenúltimo, com 28 pontos, visita o Santa Clara, oitavo, com 36, no sábado, às 17:00 (18:00 em Lisboa), no Estádio de São Miguel, em Ponta Delgada, nos Açores, em jogo da 30.ª jornada, com arbitragem de Rui Costa, da associação do Porto.