Portugal
"Num museu que tem taças em ouro alguém se dá ao trabalho de roubar tarjas?"
2024-03-20 15:40:00
"E depois aparecem na Croácia? Isto cabe na cabeça de alguém?", questiona João Rafael Koehler

O episódio das tarjas das claques do FC Porto que desapareceram do museu azul e branco e apareceram na claque de um clube croata, o Hajduk Split em pleno duelo frente ao Lokomtiv Zagreb, tem gerado indignação entre os Super Dragões e o Colectivo 95.

João Rafael Koehler, membro da lista de Pinto da Costa no próximo ato eleitoral, estranha que só tivessem desaparecido as tarjas do museu do FC Porto e tem dúvidas sobre os motivos que estarão na base desta situação.

"Quero dizer-lhe de uma forma muito clara. Quem é o responsável pela segurança do estádio?", perguntou João Rafael Koehler, dando ele, em seguida, a resposta.

Koehler diz que museu tem taças em ouro mas deram-se ao trabalho de levar tarjas

"O responsável pela segurança do estádio é a Porto Estádio", indicou João Rafael Koehler apontando reparos e responsabilidades a um dos responsáveis da estrutura azul e branca que está, segundo João Rafael Koehler, próximo de André Villas-Boas.

"E há um responsável da Porto Estádio, apoiante de André Villas-Boas", acusou João Rafael Koehler, em declarações ao jornal A Bola onde, entre outras coisas, acusou André Villas-Boas de parecer que está a "copiar o estilo de Vale e Azevedo" na questão da construção do centro de treinos na Maia. 

"Vou falar como sócio: alguém acredita que num museu que tem taças em ouro, taças em platina, taças em prata, alguém se dá ao trabalho de entrar lá dentro para roubar umas tarjas?", questionou João Rafael Koehler.

O membro da lista de Pinto da Costa diz que há nesta situação algo que "não faz sentido". "E depois aparecem na Croácia? Isto cabe na cabeça de alguém? É coisa que não faz sentido, na minha opinião", declarou João Rafael Koehler.

Koehler aponta o dedo a elemento que diz ser próximo de Villas-Boas

Na sequência da questão das tarjas, recorde-se, André Villas-Boas levantou dúvidas sobre a segurança do processo eleitoral no FC Porto, que está agendado para o mês de abril.

"Há que apurar responsabilidades relativamente à segurança do museu e do Estádio do Dragão, que é o palco escolhido pelo presidente da Mesa da Assembleia Geral para o próximo voto eleitoral. Se a segurança não está garantida, como iremos ter transparência e segurança de voto no dia 27 de abril?", perguntou André Villas-Boas, candidato à presidência do FC Porto.

Em reação à questão das tarjas, André Villas-Boas deixou um apelo de que a segurança seja reforçada no local onde repousam troféus e a história do emblema nortenho.