Portugal
"Não podemos ser carne para canhão", avisa Sérgio Conceição
2021-01-31 12:40:00
Treinador do FC Porto afirma que "há muito a rever" no futebol português

O treinador do FC Porto, Sérgio Conceição, criticou a "densidade competitiva" no futebol português, com especial prejuízo para as equipas envolvidas nas competições europeias.

"Não nos podemos esquecer que estamos numa série incrível de jogos e que vai continuar. Temos segunda-feira o Rio Ave, na quinta o Belenenses SAD, depois jornada dupla com o SC Braga e segue-se o Boavista", apontou.

"Todos os jogos no terceiro dia, ou seja, com apenas dois dias de descanso. Depois para descansar temos a Juventus", ironizou o técnico, durante a conferência de imprensa de antevisão do jogo da 16.ª jornada da I Liga, com o Rio Ave.

Sérgio Conceição defendeu que é preciso mexer na "calendarização", de forma a proteger as formações que representam Portugal nas provas europeias.

"Vamos ter que ser mesmo muito inteligentes e criativos na abordagem aos jogos. Tem de se rever muitas coisas no futebol português, principalmente a calendarização das equipas que estão na Europa. Há que analisar, não podemos ser carne para canhão", sustentou.

O comentário surgiu quando o treinador do FC Porto foi desafiado a explicar a gestão que faz dos jogadores que regressam após recuperarem da covid-19.

"Não tem sido fácil", confessou: "Não só para mim, como para outros treinadores. Não é nada fácil pela densidade competitiva que temos. Nem 72 horas são [entre o último jogo e o próximo], são 68 horas. No final, o treinador é que tem que dar a cara para assumir o resultado, mas não é nada fácil".

Ainda sobre o impacto da covid-19, o técnico voltou a elogiar o trabalho dos elementos da estrutura que "trabalham no 'escuro'", permitindo que os jogadores regressam da covid-19 na melhor forma possível, mas desabafou: "Não é a mesma coisa".

Nesta jornada 16, o Sporting, líder do campeonato, recebe o Benfica, terceiro classificado. Desafiado a escolher o resultado mais conveniente no dérbi para o FC Porto, foi curto e direto: "Prefiro ganhar três pontos ao Rio Ave".

Um Rio Ave que mudou de treinador, com Miguel Cardoso a substituir Pedro Cunha. "Não sabemos muito bem o que esperar do Rio Ave devido a esta mudança de equipa técnica", admitiu.

"Conhecemos o que tem sido o padrão das equipas do Miguel Cardoso, conhecemos também individualmente os jogadores do Rio Ave e o que fizeram em termos coletivos até então. Não podemos controlar a estratégia montada pelo treinador adversário, mas podemos controlar o que queremos e podemos fazer no jogo. O mais importante é olhar para a nossa equipa e ver o que fazer para conquistar três pontos importantes", finalizou.