Portugal
"Não podemos perder três oportunidades de dois avançados contra o guarda-redes"
Redação
2021-04-05 21:15:00
Jorge Jesus assume falta de eficácia de um Benfica que "criou 'n' oportunidades"

O treinador do Benfica, Jorge Jesus, não escondeu o desagrado com o resultado escasso frente ao Marítimo (1-0), numa partida em que a formação encarnada “criou ‘n’ oportunidades” para dilatar o marcador. “Conseguimos os dois objetivos, que eram vencer e não sofrer golos. É verdade que a equipa durante 95 minutos se pôs a jeito, quando teve várias hipoteses de fazer 2-0”, comentou o técnico, na entrevista rápida à BTV.

Oportunidades que as águias foram criando sem concretizar, muitas vezes em posição altamente favorável. “Tivemos três oportunidades de dois avançados contra o ‘keeper’, não podemos falhar estas bolas. Tenho que dizer duas ou três coisas à equipa. Ao longo do jogo, com o 1-0, o Marítimo acreditou que ainda podia empatar e teve algumas chances para isso, como naquela grande defesa do Helton. Há que dar os parabéns à equipa, porque ganhou, mas podia sair daqui com um resultado muito mais brilhante, esteve com a corda na garganta. Podes perder oportunidades de golo, não podes é perder três vezes oportunidades de dois avançados para o ‘keeper’”, acrescentou Jorge Jesus.

O Benfica somou a quinta vitória consecutiva no campeonato, mas o treinador manteve a tónica na falta de eficácia: "Hoje a equipa não esteve tão confiante e clara como nos últimos dois jogos, mas é verdade que criou 'n' oportunidades, não podes ficar muito zangado quando crias tantas oportunidades de golo. É um princípio de um bom sinal. Se não crias oportunidades é que tens de ficar preocupado. Temos de melhorar a ultima decisão. Foi o que não fizemos. Às vezes, os avançados, que fazem golos porque são os colegas os criadores do jogo, quando têm oportunidade de assistir, esquecem-se que também devem assistir. Mas são todos assim".

Frente ao Marítimo, o Benfica voltou a alinhar com dois centrais. "Hoje achei que não havia motivos táticos para jogar com três jogadores atrás, era mais importante meter um jogador com características ofensivas, sabia que Marítimo vinha com cinco jogadores atrás", explicou Jesus: "Agora no fim foi na tentativa de fechar mais a baliza, o Adel [Taarabt] estava a ficar com mais dificuldades e o Julian [Weigl] andava ali sozinho. Com a entrada do Chiquinho e do Jan [Vertonghen], a equipa ficou mais estabilizada. O treinador tem de saber jogar com o jogo. Nem sempre as coisas são iguais".

Segue-se a deslocação a Paços de Ferreira, para defrontar o quinto classificado da I Liga. "Faltam nove jogos, todos eles vão ser difíceis. O próximo é difícil. É uma equipa que é forte a jogar em Paços. Vamos estudar a melhor forma de jogar lá", finalizou Jorge Jesus.