Portugal
"Não há comparação possível entre Tengstedt e Gyökeres"
2023-12-05 09:20:00
"Não acredito que o Benfica consiga fazer uma operação RDT com o Arthur Cabral", diz ex-dirigente dos leões

Casper Tengstedt e Viktor Gyökeres são dois avançados nórdicos que, nos últimos meses, chegaram a Lisboa para representar Benfica e Sporting, respetivamente. Se Tengstedt vai tendo, ultimamente, mais minutos em relação ao que vinha tendo na Luz, no caso de Viktor Gyökeres a sua influência no ataque verde e branco fez-se sentir desde que apareceu entre as apostas de Rúben Amorim.

Por isso, o advogado Carlos Barbosa da Cruz, antigo dirigente do clube de Alvalade, assume que não "há comparação possível" entre os dois avançados que alinham nos dois rivais lisboetas. "Com toda a franqueza, não há comparação possível entre Casper Tengstedt e Viktor Gyökeres. É que não há mesmo, não há mesmo, não há mesmo", vincou Carlos Barbosa da Cruz, falando de ambos os jogadores.

"O Tengstedt é voluntarioso. Mas arvorar como sendo o salvador dos problemas atacantes do Benfica, com toda a franqueza, é fazer-lhe uma desfeita porque por muito que ele se esforce, e esforça, eu acho que ele nunca poderá ser o avançado que o Benfica precisa", analisou Carlos Barbosa da Cruz.

Já em relação a Arthur Cabral, o ex-dirigente dos leões entende que é "carta fora do baralho". "O Arthur com H é carta fora do baralho", disse Carlos Barbosa da Cruz.

"O Benfica tem, efetivamente, uma dificuldade como já teve com o Ferreyra com Y. O Arthur com H também não vingou na Luz e pronto, está descartado", observou Carlos Barbosa da Cruz, na CMTV, ele que antevê problemas para a administração encarnada se quiser vender Arthur Cabral.

"Não acredito que o Benfica consiga fazer uma operação RDT relativamente ao Arthur com H", concluiu Carlos Barbosa da Cruz que anda satisfeito com o rendimento do 'seu' Viktor Gyökeres, que é tido como o jogador mais importante da época no Sporting.

"Não diria que estamos reféns do Gyökeres"

Rúben Amorim, por seu turno, quando questionado sobre a importância do sueco, admitiu que tem sido uma mais-valia mas garante que a equipa não está "refém" do camisola 9.

“Não estamos refém do Viktor [Gyökeres] mas se olharmos para os jogos, para a influência que ele tem tido não só em golos mas também na parte de esticar o jogo, de empolgar os adeptos, acho que tem uma influência muito grande", concordou Rúben Amorim.

"Isso é claro para todos. Se é o jogador mais influente do Sporting? É, claro que é e neste momento ele tem um papel de destaque mas a época é muito longa e todos vão ter esse papel", acrescentou o treinador dos leões, insistindo na sua ideia.

"Não diria que estamos reféns porque no passado já ganhámos jogos sem ele mas está a tornar-se um jogador muito importante, não há que esconder, e agora é manter assim."