Portugal
"Não foi por aí que perdemos, mas houve muito antijogo", queixa-se Jesus
Redação
2021-04-17 20:20:00
Treinador do Benfica explica fatores que tornam a liga portuguesa "das piores da Europa"

O treinador do Benfica, Jorge Jesus, criticou a arbitragem por permitir "muito antijogo", nas primeiras declarações após a derrota com o Gil Vicente (1-2). No entanto, "não foi por aí" que os encarnados voltaram a ceder pontos no campeonato, vendo fugir o líder Sporting e arriscando-se a perder terreno para o FC Porto.

"Houve muito antijogo. Os jogadores do Gil Vicente estavam cansados, com cãibras, e o árbitro parava o jogo. Só quando é choques de cabeça é que o árbitro tem de parar o jogo. Cada vez que os jogadores estavam cansados, parava... Isso tirou o ritmo do jogo, tirou intensidade. O Gil Vicente fez o que o árbitro permitiu. Como é normal em Portugal, o guarda-redes tira 10 ou 15 minutos de jogo. Só nos últimos minutos é que o árbitro dá o amarelo ao guarda-redes. É por isso que somos das piores ligas da Europa a nível de tempo útil de jogo. Mas também não foi por aí que perdemos", disse Jesus, na entrevista rápida à BTV.

"Tirou-se muito tempo de jogo, mas não justificava o resultado pelo que fizemos na segunda parte", explicou de seguida: "Os jogadores bateram-se, acreditaram, nós arriscámos o que tínhamos de arriscar e o resultado esbarra com a nossa marcha de recuperação, que vínhamos a fazer".

Analisando o encontro, Jesus admitiu que o Benfica não esteve bem na primeira parte e, acabando por melhorar na segunda, não foi a tempo de manter o ciclo de vitórias consecutivas para o campeonato. "A nossa primeira parte não foi boa. Na segunda estivemos melhor, procurámos inverter o resultado, tivemos algumas situações de golo, mas o adversário foi acreditando. Sofremos golo, perdemos e é isso. Não há nada mais a fazer do que comentar e pensar no próximo", finalizou.