Portugal
"Não existe educação. Em Portugal, têm de ganhar sempre os mesmos"
Redação
2021-04-30 10:30:00
"O que vende é o mau. Do bem ninguém fala", criticou Domingos

Na sequência dos acontecimentos ocorridos no exterior do Estádio Comendador Joaquim de Almeidas Freitas, em Moreira de Cónegos, após o jogo Moreirense-FC Porto, no qual um repórter de imagem foi agredido, o antigo internacional português Domingos Paciência diz que chegou a hora de se refletir sobre tudo aquilo que vem sendo feito no futebol nacional e diz que é tempo de as pessoas, de uma vez por todas, tomarem consciência de que é necessário pautar o desporto com "respeito", sob pena de o grande derrotado ser precisamente o futebol. "Acho que não existe educação, não existe respeito. Isto é um jogo de futebol. Alguém vai ter de ganhar e alguém vai ter de perder."

O antigo camisola 9 do FC Porto lamenta que a cultura desportiva no país esteja virada para três clubes. "Em Portugal, têm de ganhar sempre os mesmos. Quando perdem existem problemas e justificações. Não estou a pormenorizar que é o FC Porto, que é o Benfica. São os três grandes que têm de ganhar. Porque quando não ganham há justificações para o resultado menos conseguido e podem existir situações como esta, como já ocorreram outras situações com o Benfica e com o Sporting", lembrou o ex-avançado internacional luso.

Domingos Paciência salientou ainda que as coisas não vão mudar "enquanto não aceitarem que também podem perder". E enquanto assim for, a derrota maior, diz Domingos, será para o futebol nacional. "O nosso campeonato vai ser toda a vida assim", lamentou o ex-atacante, lembrando e lamentando que se dê destaque a coisas negativas que ocorrem nos jogos.

"O que vende é o mau, estes dias só se vendeu o mau e o mau que existe no futebol. Do bem ninguém fala", criticou Domingos Paciência, não antevendo melhorias.

"Isto vai continuar. São os casos, os problemas dos grandes, é a frustração de perder, de justificar. Tudo mexe mas acho que, no final do jogo, tem de existir um momento em que se pensa 'não se ganhou porque os outros foram melhores'", disse Domingos Paciência.

O ex-atacante lembrou ainda que na lógica de uma partida de futebol estará sempre alguém que fica a sorrir e alguém triste. "Um jogo de futebol dá prazer a uns e dores a outros", declarou Domingos Paciência, em declarações na RTP 3, num painel que contava também com João Alves que aproveitou para alinhar pela mesma ideia e deixar um aviso aos responsáveis desportivos.

"Não estou a ver os pais, os chefes de família responsáveis a levarem a família ao futebol. E o futebol vai perder adeptos. Cada vez mais o futebol é um jogo de televisão. Não há pessoas a assistirem ao espetáculo a não ser alguns privilegiados. Há o risco muito sério de toda esta paixão, que está centralizada, se perder", alertou João Alves.

O 'luvas pretas' disse ainda que com ações como as que se assistiram na passada segunda-feira, em Moreira de Cónegos, "estão a matar o futebol e o futebol não morre rapidamente mas vai morrendo".

João Alves apelou, por isso, à necessidade de reflexão das pessoas que mandam no futebol para que o desporto possa ser como antigamente. "No meu tempo tínhamos estádios sem condições mas cheios e com pouca polícia", recordou para dar conta de como se vivia um jogo de futebol.