Portugal
"Mesquinhez de alguns inteligentes do Sporting" indigna Francisco J. Marques
Redação
2020-11-25 10:30:00
"Benfica e Sporting têm medo de enfrentar o papão do Governo", diz Francisco J. Marques

O FC Porto não gostou de ver o seu símbolo oficial ignorado na transmissão da Sporting TV, no último fim de semana, em jogos de algumas modalidades entre leões e dragões e mostrou o seu descontentamento através do seu porta-voz Francisco J. Marques.

 

O diretor de comunicação e informação do FC Porto fala em "mesquinhez de alguns inteligentes que só diminui o Sporting" ao não colocarem o símbolo portista na transmissão da Sporting TV.

"O Sporting tem obrigação de respeitar o FC Porto e todas as equipas. Em todas as circunstâncias. Se querem ser respeitados, respeitem", avisou o diretor portista com responsabilidade na área da comunicação.

Em declarações no Porto Canal, Francisco J. Marques aproveitou ainda para lamentar que seja Pinto da Costa a criticar reiteradamente as autoridades de saúde e o Governo por não permitirem a presença de público nos estádios e, do lado dos rivais lisboetas, os seus responsáveis não se façam ouvir, segundo consideram os azuis e brancos.

"Pior de tudo é ver o medo com que os responsáveis do Benfica e do Sporting tratam isto. Medo de enfrentarem o papão do Governo. Não têm coragem. Eles estão a ser tão prejudicados como todos os outros, mas ficam calados. Esperam que continue a ser Pinto da Costa a dar o peito às balas", assinalou Francisco J. Marques.

O diretor de comunicação e informação do FC Porto diz que em pleno ano de 2020 Pinto da Costa "tem de servir de exemplo e mostrar como é que se tem que reclamar e protestar perante um comportamento profundamente injusto do Estado português".

Também a gerar indignação no clube azul e branco está o recente comportamento das autoridades responsáveis pelo aeroporto Francisco Sá Carneiro, que realizaram uma inspeção que atrasou a partida da comitiva do FC Porto para França em uma hora.

"A simples e triste conclusão é que é mesmo contra tudo, contra todos (...) e lutar contra o Estado", referiu Francisco J. Marques, dando sequência às críticas de Pinto da Costa, que ameaçou começar a viajar a partir de "Vigo".

A Autoridade Nacional de Aviação Civil (ANAC) realizou, na terça-feira, uma inspeção aos procedimentos de segurança na zona VIP do aeroporto que serve a cidade do Porto e o norte de Portugal, atrasando a partida da comitiva do FC Porto para Marselha.

"Uma situação muito infeliz da ANAC. Quando uma equipa de alto nível e de alta competição vai jogar, como é o FC Porto na Champions, o clube paga para ter um acesso VIP no aeroporto e qual o objetivo? Que os jogadores, que são quem vai disputar o jogo, possam ser o menos perturbados possível".

Francisco J. Marques lamenta que o plantel tenha estado "mais de uma hora de pé, porque uns senhores quaisquer resolveram escolher aquele voo, um voo charter, apenas com a equipa, médicos e staff, uma comitiva reduzida" para fazer a inspeção.

"O que é que fizeram? Andaram a ver se os saquinhos onde estão os perfumes estavam bem. Uma entrada que dura um minuto por pessoa passou a durar 10 minutos. Estas coisas só acontecem com o FC Porto, isto tem uma razão de ser específica: todos sabem como o presidente Pinto da Costa tem liderado contra este ataque ao futebol às custas da pandemia, esta é a resposta do Estado português, isto já aconteceu em variadíssimas circunstâncias".

O diretor de comunicação e informação dos azuis e brancos sublinhou ainda que "o FC Porto é a equipa que melhor respresenta o futebol português na Europa, mas em Portugal há quem tente complicar a vida ao FC Porto".

"Estes comportamentos são desnecessários e condenáveis. Se o senhor ministro que tutela a ANAC se mantiver calado, é porque tem culpas no cartório. Se o senhor ministro achar que é indigno uma equipa portuguesa que vai representar Portugal estar mais de uma hora à espera em pé, então vamos tirar as nossas conclusões".

Francisco J. Marques realçou ainda que "é mesmo contra tudo e contra todos". "Ao FC Porto, as vitórias custam mesmo muito, é uma pena ter que defrontar os adversários e ainda ter que lutar contra o Estado".