Portugal
Marítimo ultrapassa Boavista após vencer no Bessa
Redação
2021-04-25 17:05:00
Axadrezados caem para o lugar de 'play-off'

Um golo solitário de Ali Alipour permitiu hoje ao Marítimo vencer na deslocação ao estádio do Boavista, por 1-0, no encontro de abertura da 29.ª jornada, e ultrapassar os ‘axadrezados’ na classificação da I Liga de futebol.

No Estádio do Bessa, o avançado iraniano marcou aos 63 minutos e ditou o segundo triunfo seguido dos insulares, que não ganhavam há mais de um mês fora de casa e saíram do lugar de acesso ao ‘play-off’ de manutenção, por troca com os portuenses.

O Marítimo ascendeu ao 14.º lugar, com 30 pontos, igualando provisoriamente o Famalicão, enquanto o Boavista desceu ao 16.º, com 28, apenas à frente de Farense (17.º, com 25 pontos) e Nacional (18.º, com 21), que ainda não jogaram nesta ronda.

Inseridas numa acesa luta pela permanência, as duas equipas repartiram a iniciativa ao longo da primeira parte e mostraram-se mais preocupadas em não sofrer, ao ponto de raras vezes terem sido capazes de articular setores para desequilibrar no último terço.

Nesse capítulo, os pupilos de Julio Velásquez, que repetiu o ‘onze’ do triunfo caseiro frente ao Rio Ave (1-0), mostraram-se acutilantes aos 19 minutos, quando, na sequência de um canto de Rafik Guitane na direita, Renê Santos atirou à meia-volta para fora.

A formação de Jesualdo Ferreira, com cinco trocas face ao desaire em Braga (2-1), acusava maior desinspiração, visível num desvio inofensivo de Yusupha, a cruzamento de Reggie Cannon, aos 20 minutos, e socorreu-se de Léo Jardim para segurar o ‘nulo’.

Aos 22 minutos, na única chance flagrante até ao intervalo, um passe errado de Gustavo Sauer no meio-campo facilitou a transição do Marítimo, na qual Renê Santos serviu um cabeceamento frontal de Joel Tagueu, negado com aperto pelo guardião do Boavista.

Os anfitriões deram o mote para uma etapa complementar mais movimentada junto às duas áreas, com Yusupha e Angel Gomes a desenharem um contra-ataque prometedor aos 53 minutos, finalizado com um remate de Alberth Elis para defesa fácil de Amir.

O guarda-redes iraniano voltou a intervir sete minutos depois, ao impor-se perante um toque subtil de costas para a baliza de Chidozie, servido por Gustavo Sauer na direita, logo depois de Léo Jardim ter voltado a impedir as intenções do irrequieto Joel Tagueu.

A audácia do Marítimo seria premiada aos 63 minutos, através de uma jogada conduzida no flanco esquerdo por Bruno China e vincada pelo envolvimento entre Pedro Pelágio e Joel Tagueu, que ludibriou a oposição de Léo Jardim e assistiu o golo de Ali Alipour.

Jesualdo Ferreira abdicou por impulso do trio de centrais, mas essa estratégia do Boavista só originou ‘tiros’ ao lado de Angel Gomes, aos 76 minutos, e Yanis Hamache, aos 88, além de uma conclusão falhada de Alberth Elis, a passe do inglês, aos 80.

As oportunidades surgiram com mais frequência nos instantes finais e o conjunto de Julio Velásquez nunca prescindiu da procura pelo segundo tento, ainda que as ameaças de Jorge Correa, aos 74 minutos, e Ali Alipour, aos 88, tenham ficado pela malha lateral.