Portugal
"Marega é um corpo estranho neste FC Porto"
Redação
2021-04-08 18:15:00
Maniche considera que o avançado maliano não devia ter lugar no onze dos dragões

A atuação do FC Porto no jogo com o Chelsea, para a primeira mão dos quartos de final da Liga dos Campeões, tem vindo a dividir opiniões no seio azul e branco. Após o encontro, o treinador portista, Sérgio Conceição, fez questão de realçar a “exibição acima da média” dos dragões, que acabaram derrotados (0-2) pela formação inglesa. “Toda a equipa fez uma exibição boa. Estrategicamente, a nossa exibição foi forte”, garantiu.

Mas muitos não concordam com esta análise. Maniche, campeão europeu pelo FC Porto em 2004, fez questão de salientar o caso de Marega, afirmando que a exibição do maliano ficou muito abaixo da dos colegas de equipa. Para o antigo internacional português, Marega desperdiçou uma excelente oportunidade para se mostrar, frente a um adversário que convidava à “profundidade”. Isto porque o avançado parece estar a começar a acusar o desgaste de uma época que tem sido intensa, com muitos períodos de vários jogos separados por cerca de 72 horas.

“O meu ponto negativo vai para Marega, porque o FC Porto precisava de um jogador que desse muita profundidade, um jogador que desse rotura ao seu jogo, e Marega está fora. É um corpo estranho neste FC Porto, é um jogador que a sua caraterística é a velocidade e neste momento não a tem”, sustentou Maniche, considerando que o avançado maliano começa a acusar o desgaste de mais uma época em que continua a ser um dos ‘indiscutíveis’ para Sérgio Conceição.

Numa equipa com artistas do nível de Jesús Corona, Otávio e Luis Díaz, mais se destaca a diferença de Marega ao nível técnico. Restava ao número 11 dos dragões explorar a “profundidade” através da pujança física, mas faltou-lhe a velocidade que lhe é caraterística. Sendo um “jogador essencialmente mais de primeira parte”, período em que ‘cansa’ a defesa adversária (para que esta, no segundo tempo, conceda mais espaços, devido à falta de frescura física), o maliano acabou por passar ao lado de todo o jogo com o Chelsea, segundo o antigo médio azul e branco.

Para agravar a situação de Marega, também lhe faltou ao lado o parceiro dos últimos jogos, Taremi, que falhou o jogo por estar a cumprir castigo. De acordo com Maniche, ao analisar a partida com o Chelsea no Futebol Total do Canal 11, não se pode esperar do maliano que jogue como o iraniano, um pivô que protege a bola para dar tempo aos colegas de ‘subirem’ no terreno, distribuindo depois a bola.

“O FC Porto precisava de um homem que segurasse mais a bola no último terço do campo, porque precisou e foi notório a falta de criatividade no último terço do campo. Marega não é, de todo, um jogador para receber a bola na zona frontal [à área adversária] e depois começar a passar a bola aos colegas”, complementou o antigo médio dos dragões.

Marega foi assim a exceção num “excelente jogo” do FC Porto, concluiu Maniche, depois de ter lamentado os “erros infantis” que deram a vitória ao Chelsea: “O FC Porto foi melhor em quase tudo, menos na eficácia. Vi um FC Porto coeso, uma equipa compacta, bastante agressiva nos duelos, uma equipa que construiu várias oportunidades de golo e não as concretizou. Depois, a este nível, não se pode ter duas abordagens amadoras. Não se podem cometer estes erros a este nível”.