Portugal
MAG do Sporting fala em "ameaças" e "pressões" para assinar a ata
Mauro
2018-05-25 20:35:00
Em comunicado, a Mesa da Assembleia Geral do Sporting diz que foi criado ambiente "intimidatório" na reunião de 5ª feira

A Mesa da Assembleia Geral (MAG) do Sporting emitiu esta sexta-feira um comunicado em que revela que os seus membros e os membros demissionários foram ameaçados nas próprias instalações do clube. 

"A Mesa da Assembleia Geral lamenta também profundamente as ameaças e o ambiente intimidatório criado a que foram sujeitos os seus membros e membros demissionários do Conselho Fiscal e Disciplinar nas próprias instalações do Clube. Estes factos são inaceitáveis e não correspondem à História do Sporting Clube de Portugal", pode ler-se no comunicado.

A MAG fala ainda em pressão para assinar a ata"sem correspondência com o que ocorreu", acusando o Conselho Diretivo de tentar obrigar os membros dos outros órgãos sociais a assiná-la.

Aquele orgão lamenta também que o Conselho Diretivo, liderado por Bruno de Carvalho, não tenha aceite as propostas da MAG, presidido por Jaime Marta Soares, que passavam pela realização de eleições a 2 de setembro.

O comunicado da Mesa da Assembleia Geral na íntegra:

1) Para a Mesa da Assembleia Geral é inequívoca a situação de profunda instabilidade e crescente divisão que atingiu o Clube e a necessidade de, o mais rapidamente possível, repor a normalidade e a coesão do mesmo, e considera também que apenas os Sócios têm plena legitimidade para apurar a responsabilidade por esta situação e determinar a solução mais adequada para os destinos do Clube.

2) A Mesa da Assembleia Geral não pode ignorar os inúmeros pedidos de sócios, correspondentes a milhares de votos, para a realização de uma Assembleia Geral Extraordinária para destituição do Conselho Directivo.

3) Importa assinalar que a Mesa da Assembleia Geral apresentou ao Conselho Directivo uma solução que teria permitido a sua continuidade em funções até novas eleições, a realizar na data de 2 de Setembro de 2018, solução que teria evitado qualquer hiato na gestão do Clube e mais teria contribuído para limitar os danos resultantes da situação de instabilidade criada nos últimos meses.

4) A Mesa da Assembleia Geral constatou a insistente rejeição por parte do Conselho Directivo dessa solução, o que obriga à realização de uma Assembleia Geral Extraordinária visando a destituição dos membros do Conselho Directivo. Esta é a solução que mais respeita a vontade dos Sócios e mais rapidamente pode reestabelecer a normalidade no e do Clube, à luz do comportamento do Conselho Directivo e a sua reiterada oposição a qualquer outra das alternativas sugeridas pela Mesa da Assembleia Geral.

5) A Mesa da Assembleia Geral lamenta profundamente o comportamento do Conselho Directivo, incluindo a tentativa de obrigar os membros dos outros Órgãos Sociais a assinar uma suposta acta da reunião anterior (21 de Maio), sem qualquer correspondência com o que ocorreu no decurso da mesma. A Mesa da Assembleia Geral lamenta também profundamente as ameaças e o ambiente intimidatório criado a que foram sujeitos os seus membros e membros demissionários do Conselho Fiscal e Disciplinar nas próprias instalações do Clube. Estes factos são inaceitáveis e não correspondem à História do Sporting Clube de Portugal. A Mesa da Assembleia Geral continuará sempre a agir no sentido de respeitar essa mesma História e promover sempre a união entre todos os verdadeiros Sportinguistas.

6) A Mesa da Assembleia Geral reitera aos Sócios que continuará a agir em prol dos superiores interesses do Clube, sempre com toda a independência e imune a qualquer tipo de pressão.

Lisboa, 25 de Maio de 2018

A Mesa da Assembleia Geral"