Portugal
Lito vítima de "ataque massivo e de grandes proporções" antes de jogar no Dragão
2020-10-16 15:10:00
"Disse-lhes que, no Dragão, se chegássemos ao fim com onze ganharíamos"

Lito Vidigal venceu o FC Porto no Estádio do Dragão mas não esquece as críticas de que foi alvo antes e depois do embate na casa azul e branca e agora, passadas algumas semanas, admite que sofreu uma 'campanha' que visava tentar condicioná-lo.

"Tive a perfeita noção de que foi um ataque massivo, organizado e de grandes proporções. Um processo que teve início no final desse jogo [contra o Tondela] e teve um final indesejado porque, uma semana depois, fomos ganhar a casa do campeão, utilizando as nossas armas", comentou Lito Vidigal.

Em entrevista ao Record, o treinador do Marítimo lamentou essa 'campanha' que admite ter sido levantada contra a forma de abordar os jogos na Liga portuguesa.

"Não encontro as palavras certas para o expressar. Dei comigo a seguir um raciocínio piedoso – ‘perdoai-lhes que eles não sabem o que dizem’", comentou Lito Vidigal.

O técnico angolano, de 51 anos, realçou ainda que não foram esses comentários que o 'deitaram' por terra, até porque, diz, ser mais forte do que essas insinuações.

"Não me deixo condicionar por tão pouco. Desta vez, então, não me condicionaram porque percebi logo que o objetivo era… condicionarem-me", referiu Lito Vidigal, destacando que tem "ideias, convicções, um rumo e capacidade para abordar as variabilidades que aparecem pela frente".

Em sentido figurado, Lito Vidigal disse ainda que não gosta de bater contra muros quando está a correr, mas destaca que se for necessário, assim fará.

"Se eu tiver a certeza de que ele vai ceder à nossa passagem, não é de excluir a possibilidade de ir contra ele [muro]", afirmou Lito Vidigal que saiu do Estádio do Dragão com os três pontos e, na altura, preferiu não comentar as críticas feitas sobre alegado antijogo, nomeadamente por parte de Sérgio Conceição.

Lito Vidigal explicou ainda que o plano para vencer no Estádio do Dragão passava por chegar ao final com 11 jogadores em campo. Desse modo, Lito considera que estaria boa parte do caminho realizado.

"Disse-lhes que, no Dragão, se chegássemos ao fim com onze (e que isso era importante em demasia para o plano) ganharíamos o jogo... A minha equipa joga sempre muito bom futebol, porque o faz com paixão e inteligência, interpretando perfeitamente as ideias que lhe incuto."