Portugal
"Gosto de rever o passado, mas a história não é para mim", diz Pinto da Costa
Mauro
2020-04-17 18:35:00
Presidente participou no 'FC Porto em casa' no dia em que completou o 38.º aniversário da primeira eleição para o cargo

Os 38 anos de Pinto da Costa como presidente do FC Porto foram assinalados pelo clube com um programa que teve como convidados José Mourinho, Jorge Costa e Vítor Baía.

Os antigos jogadores eram os convidados anunciados do 'FC Porto em casa' de hoje, com o treinador que levou o FC Porto à vitória na Liga dos Campeões de 2004 a surgir de surpresa em direto.

Mas o protagonista era mesmo Pinto da Costa, há 38 anos à frente dos dragões.

"É muita coisa, são 13 870 dias", gracejou o dirigente.

Nestas quase quatro décadas, o FC Porto conquistou sete troféus internacionais, para além de vários títulos internos, como o único pentacampeonato na história do principal campeonato nacional.

"O que ganhámos é história", reagiu o presidente portista, quando questionado por um adepto sobre o que sentia por ser 'o dirigente mais titulado do mundo'.

"Gosto de rever o passado, mas a história não é para mim. Se tivesse sido outro presidente eu estava contente na mesma, quem ganhou foi o clube", justificou.

Pinto da Costa estava a contar histórias sobre Jorge Costa e Vítor Baía quando foi avisado que ia entrar em direto mais um convidado, este sim, uma verdadeira surpresa: José Mourinho.

Depois de ser elogiado por José Mourinho, Pinto da Costa fez uma revelação sobre o técnico.

"Muita gente ignora que o José Mourinho estava disponível para fazer meia época pelo FC Porto numa emergência", adiantou o presidente, referindo-se à segunda metade da época de 2013/14, depois de Paulo Fonseca demitir-se e antes de Luís Castro assumir o banco dos dragões.

Esse regresso de José Mourinho não se efetuou porque "o Manchester United não autorizou", isto quando o técnico ainda não tinha assumido oficialmente o cargo em Old Trafford.

Antes de entrar em direto, Pinto da Costa já tinha sido elogiado pelos antigos capitães.

"Qualquer desportista reconhece que o FC Porto transformou-se num clube à escala mundial", salientou Jorge Costa, com Vítor Baía a explicar que o trabalho desenvolvido pelo presidente levou o clube a "emancipar-se" e a tornar-se na equipa portuguesa "mais vitoriosa a nível internacional".