Portugal
"Jorge Jesus põe muitas vezes em causa a estabilidade e os resultados"
Redação
2021-01-10 15:30:00
José Peseiro diz-se "surpreendido" com a escolhas de Jesus no Benfica

José Peseiro, atual selecionador da Venezuela, concedeu este domingo uma entrevista ao jornal na Record na qual abordou a forma de jogar do Benfica, considerando-a “complexa” e difícil “de consolidar”. 

Para o antigo técnico do Sporting, o estilo de jogo encarnado “desgasta” muito os jogadores com bola o que, aliado à pressão alta, com vários jogadores à frente da linha da bola, torna mais difícil a reação à perda. 

“A forma de jogar que o Benfica quer é mais complexa e com mais dificuldade de consolidar. Um projeto de jogo em que queres ter a bola e te desgastas com a bola, com o adversário empurrado lá atrás, as dinâmicas criadas com menos espaço precisam de tempo para trabalhar”, começou por dizer. 

“Depois há o momento da perda de bola. Quando tens muitos jogadores à frente da linha da bola, como o Benfica faz, evidentemente que quando perdes a bola é muito mais complicado”, continuou. 

José Peseiro diz-se, por isso, “surpreendido” por um “treinador conceituado” como Jorge Jesus optar por um “caminho” que coloca muitas vezes em causa “a estabilidade, a segurança e os resultados”. 

“Surpreende-me é o Jesus, que é um treinador conceituado, ter escolhido este caminho, mesmo pondo muitas vezes em causa a estabilidade, a segurança e os resultados. Não estou a dizer que está mal ou bem, foi a escolha que ele fez. Ele quer assim, independentemente de ter jogadores para se adequarem a essas características”, explicou. 

Para Peseiro, esta é uma forma de jogar “que precisa de muito tempo para consolidar” e “difícil de treinar”, o que o leva a questionar a opção de Jesus em não tomar um “caminho menos ousado”. 

“Fiquei surpreendido de Jesus não mudar a forma de jogar, não sendo possível ter o tempo de treino necessário para jogar assim. Por que não ter outra forma de jogar, um caminho menos ousado? Um passo intermédio que desse mais solidez à equipa”, referiu.

Em entrevista ao Record, José Peseiro abordou também o atual momento do Sporting, considerando que os leões têm sido "favorecidos" pelo facto de não haver público nos estádios. 

“O Sporting é o clube mais fraturado, ainda que acredite que as vitórias vão diminuir essa fratura, e o facto de não haver público nos estádios tem favorecido. (...) Seria muito mais difícil [com o estádio cheio]. Ficando fora da UEFA como ficou, isso teria criado uma instabilidade que, sem adeptos, não cria. Esse ambiente de menor pressão é favorável aos jogadores jovens”, explicou.