Portugal
“Jorge Jesus é um dos melhores do mundo a nível defensivo”, diz Silas
Redação
2020-12-26 15:10:00
Ex-técnico do Sporting considera Jesus e José Mourinho “muito parecidos” enquanto treinadores

A passagem de sucesso de Jorge Jesus pelo Brasil, onde se sagrou campeão do Brasileirão e da Libertadores, ao serviço do Flamengo, ‘abriu as portas’ para novos técnicos portugueses, entre os quais Abel Ferreira e Sá Pinto. 

Jorge Silas, que deixou o Sporting na temporada passada, admitiu também o interesse em trabalhar no futebol daquele continente e, numa entrevista à ESPN, recordou o sucesso do atual técnico do Benfica, bem como da aprendizagem quando foi orientado por Jesus no Belenenses. 

“Quando trabalhei com ele, percebi que gostaria de ser treinador quando parasse de jogar. Ele inspirou-me a mim e a muitos outros, como o Abel Ferreira. Eu era um jogador muito técnico, mas via o jogo de forma muito individual. Passei a desfrutar do futebol a nível coletivo também”, começou por dizer. 

“O que mais gosto dele - e que adotei também na minha carreira - é o facto de ele ser um dos treinadores com quem mais falei sobre futebol. Às vezes ele falava pra eu fazer alguma coisa e eu respondia com outro. Se conseguisse provar que a minha ideia era melhor, ele acatava. Muitas vezes chegava no dia seguinte e dizia que tinha pensado no que eu tinha dito e experimentávamos. Não era menos treinador por isso, pelo contrário”, acrescentou. 

De resto, Silas recorda o momento em que Jesus chegou ao Belenenses e em que um amigo lhe disse que o atual técnico dos encarnados era “tão bom ou melhor que Mourinho” a nível tático. 

“Disse-lhe que era maluco. A verdade é que na primeira semana lembrei-me do que ele tinha dito. Realmente, o míster [Jesus] disse-me coisas que eu nunca tinha ouvido antes. Nunca tinha visto um treinador que me corrigisse tanto”, conta.  “A nível defensivo, Jorge Jesus é um dos melhores do mundo”. 

Já sobre José Mourinho, com quem trabalhou no União de Leiria, o ex-técnico do Sporting lembra que a “relação humana” era diferente “do que tinha visto” e que tirou “aprendizagens” para o resto da carreira. 

“Já dava para ver que era diferente de tudo. A relação humana com o jogador e a parte tática dele são muito fortes. Ele o Jesus são muito parecidos. Nunca tinha jogado na primeira divisão de Portugal e o Mourinho conhecia-me de Espanha, porque era auxiliar no Barcelona”, conta. 

Na mesma entrevista, Silas falou sobre a experiência no Sporting, onde diz ter encontrado “um ambiente muito complicado”. 

Era um ambiente muito complicado. A equipa estava no nono lugar na Liga, o que é muito mau para o Sporting. Estava em último na Taça da Liga e no grupo da Liga Europa”, referiu.