Portugal
"Jogadores não têm amor ao clube nem à camisola" e "não são mais que os outros"
2020-04-08 09:40:00
Presidente da SAD do Leixões e o impacto do novo coronavírus nas finanças dos clubes

Paulo Lopo, presidente da SAD do Leixões, é muito crítico na forma como o país da bola está a encarar os eventuais cortes de salários ou a medida de 'lay-off', que alguns emblemas já tomaram, e aponta o dedo ao sindicato dos jogadores mas também aos próprios futebolistas.

"Os jogadores quiseram esperar pelas negociações entre o Sindicato e a Liga, que não chegaram a bom porto. O Sindicato achou que os jogadores não tinham de abdicar de nada, mas toda a gente tem de abdicar de alguma coisa para não colocar em causa o futuro", assegura Paulo Lopo.

Em declarações à 'Renascença', o dirigente dos matosinhenses traça um cenário delicado para a indústria do futebol.

"Temos um mecanismo legal, que é recorrer ao 'lay-off' e é isso que deveremos fazer hoje. O Leixões é uma empresa e, se os trabalhadores de fábricas, comércio e restauração também terão de o fazer, os jogadores, que têm um ordenado muito maior, não são mais do que os outros e também o podem fazer".

Lopo lamenta ainda que os jogadores não procurem dar a mão aos clubes para que se encontre uma solução conjunta para enfrentar a crise económica devido ao novo coronavírus.

"Os jogadores não têm amor ao clube nem à camisola. São profissionais, pensam na sua vida e não estão dispostos a fazer sacrifícios pelos clubes. Mesmo aqueles nascidos e criados no clube que, na minha opinião, às vezes até são os piores."

Elogiando os esforços da Federação Portuguesa de Futebol e da Liga de Clubes para tentar minimizar o impacto financeiro na procura de uma solução conjunto para todos os clubes e jogadores, Paulo Lopo lamenta que seja agora "cada um por si".

E novamente aponta críticas a Joaquim Evangelista do Sindicato de jogadores.

"A Liga não chegou a acordo com o Sindicato dos Jogadores e o Pedro Proença comunicou-nos que cada sociedade desportiva teria de seguir o caminho mais conveniente."