Portugal
"Jesus não pensou no que ia acontecer à posteriori e as coisas correram mal"
Redação
2021-04-02 21:50:00
Capristano defende treinador do Benfica na sequência dos comentários de Rui Vitória

Os comentários de Rui Vitória, antigo treinador do Benfica, sobre o atual momento da equipa encarnada, causaram algum desconforto na Luz. Em declarações à imprensa brasileira, o técnico apontou os ‘pecados’ na preparação desta temporada, “tudo com muita pressa”, e desvalorizou o motivo que tem sido insistentemente apontado pelos responsáveis encarnados, frisando que a não qualificação para a Liga dos Campeões e a distância para o líder Sporting no campeonato (13 pontos) não se deve “somente à pandemia”.

“Há um conjunto de fatores que desperta menos confiança. Olhando friamente de fora, acho que é mais isso, um conjunto de coisas, expetativas elevadíssimas, o que gerou uma tranquilidade aos jogadores. ‘Somos a melhor equipa do campeonato português, contratámos como ninguém, estamos preparados'. Mas as coisas começaram a não funcionar e os aspetos negativos aumentaram”, disse Rui Vitória.

José Manuel Capristano, antigo vice-presidente do Benfica, assumiu o desagrado com a opinião do ex-treinador, que defendeu que as “expetativas elevadíssimas” do início da temporada (altura em que Jorge Jesus promete “arrasar” e “jogar o triplo”) acabaram por causar intranquilidade à equipa. “Ele sabe mais de futebol do que eu, é profissional e eu não sou, mas num clube como o Benfica, o Sporting ou o FC Porto as expetativas são sempre altas. Ter dito agora que foi por causa das expetativas altas...”, começou por reagir o ex-dirigente.

“Quando chegou, Jorge Jesus não estava a pensar no que ia acontecer à posteriori [casos de covid-19]. Para galvanizar os adeptos, porque sabia que tinha muitos pró e contra, utilizou aquela estratégia [de “arrasar” e “jogar o triplo”]. As coisas correram mal, devido ao problema sanitário, mas as expetativas de um clube como o Benfica são sempre altas. Não há médias nem baixas”, insistiu Capristano, no comentário para a CMTV.

O ex-dirigente saiu em defesa de Jorge Jesus, rejeitando que tenha sido o atual treinador das águias a elevar as expectativas dos adeptos, como deu a entender Rui Vitória: “Espera-se sempre que o Sporting seja campeão, que o FC Porto seja campeão e que o Benfica seja campeão. Qualquer dia, acontece com o SC Braga também. A pressão é sempre grande. É fundamental aguentar a pressão”.

Reforçando a ideia de que a pressão faz parte do dia a dia dos grandes clubes, Capristano aludiu ainda às recentes declarações de Odisseas Vlachodimos, guarda-redes que manifestou vontade de deixar o clube. Para o ex-dirigente, o internacional grego demonstrou que não tem capacidade para aguentar a pressão de ser jogador do Benfica. “Recordo o que aquele guarda-redes disse, uma pessoa que é titular e depois deixa de ser e quer ir-se embora... Se um jogador que é titular durante anos e ao quarto ou quinto jogo quer sair porque não é titular não tem nervo para aguentar a pressão. Isto mostra qualquer coisa. Tem de se aguentar a pressão, como se tem de aguentar a expetativa. No início da época, os adeptos do Benfica dizem que vão ser campeões. Os do FC Porto também, os do Sporting também. Mas só pode haver um campeão”, insistiu o antigo vice-presidente.

Ao longo de janeiro e fevereiro, vários responsáveis do Benfica, como Luís Filipe Vieira, Jorge Jesus, Rui Costa e Luisão, afirmaram que a covid-19 prejudicou de forma visível a equipa encarnada. Capristano corroborou a ideia, salientando que o coronavírus impediu o Benfica de corresponder às “expectativas” de que falou Rui Vitória, e traçou um ponto de comparação com o FC Porto. “As pessoas dizem que FC Porto e Benfica afinaram pelo mesmo diapasão, que foram os mais afetados pela covid-19. Eu pergunto, quantos titulares do FC Porto tiveram covid-19? Sérgio Oliveira, Otávio e Manafá. Posso estar a falhar um ou outro, mas toda a equipa do Benfica teve covid-19. Efetivamente,  prejudicou muito mais o Benfica, não é um pormenor, é um pormaior”, finalizou José Manuel Capristano.