Portugal
"Isto ainda não acabou", diz Conceição sobre Nakajima
2020-09-04 15:00:00
Treinador do FC Porto deixa sério aviso ao internacional japonês e ao plantel

O treinador do FC Porto, Sérgio Conceição, revelou que o internacional japonês Shoya Nakajima só foi reintegrado no plantel por pressão dos colegas.

Em entrevista ao jornal O Jogo, o técnico dos dragões destacou a importância de manter a disciplina e alertou que, para se fazer parte da equipa do FC Porto, é preciso ter espírito de compromisso.

Nakajima só se juntou aos trabalhos da pré-temporada "porque temos um grupo de trabalho fantástico", afirmou.

"Os colegas fizeram muita força para que o Nakajima voltasse", revelou Sérgio Conceição.

O criativo nipónico estava afastado do grupo desde o final da época passada, quando recusou treinar para não correr o risco de contrair a covid-19 e contagiar a mulher.

O caso passou para a esfera da SAD, que resolveu o assunto e permitiu a reintegração de Nakajima, como tinha antecipado publicamente o presidente portista, Pinto da Costa.

Desculpado pela estrutura, o internacional japonês teve de se justificar perante os colegas. Depois disso, cabia ao treinador a palavra final.

"Ele sentiu que não esteve bem. Foi um momento difícil para todo o mundo e continua a ser, porque isto ainda não acabou", realçou Sérgio Conceição.

É que, para o treinador do FC Porto, não basta pedir desculpa: é preciso que seja demonstrada através do "compromisso" com o grupo.

"Daí a nossa azia, de todos", assumiu o técnico, mesmo reconhecendo que o caso foi agravado porque Nakajima vem de "uma cultura totalmente diferente".

Assim, o FC Porto iniciou a pré-temporada e o criativo continuou de castigo.

"Sofreu um bocado porque, no momento em que se sentia psicologicamente apto, teve de sofrer a consequência do seu gesto", explicou.

Sérgio Conceição não abdica da disciplina, como provou quando afastou, em alturas diferentes, os titulares Moussa Marega, Iker Casillas, Éder Militão, Marchesin, Uribe e Luis Díaz.

"Não basta ter contrato com o FC Porto, é preciso sentir", repetiu o técnico, salientando que os campeonatos também se ganham quando "não se abdica dos princípios em função da importância dos jogadores".

Depois de deixar os recados para dentro, o treinador do FC Porto virou a mira para fora, apontando-a aos "ex-jogadores que têm dificuldade em ver o jogo".

"Veem à sua maneira, têm a sua ideia, mas há coisas ditas que são absurdas e cada vez menos qualidade em quem comenta futebol", disparou.

"Hoje em dia, toda a gente fala de futebol e acha que percebe de futebol, mas o problema é o que dizem e passam para as pessoas. Há muito pouca qualidade nos nossos comentadores", insistiu Sérgio Conceição.

A este propósito, o caso disciplinar de Nakajima é o mais recente e melhor exemplo.

O criativo japonês é "tecnicamente apetecível", mas falta-lhe o "compromisso" dentro de campo. É um jogador "brilhante" quando se vê um jogo "numa tarde com os amigos", mas que nem sempre empresta à equipa a "qualidade técnica" que é esperada pelo treinador que o põe a jogar, explicou Sérgio Conceição.

"O Nakajima não tem de fazer o mesmo que o Pepe ou o Mbemba. Se ele fizer o seu trabalho, muito bem. Se não o faz, desce de patamar em relação aos que jogam habitualmente, que são os que me dão mais garantias", concluiu.