Portugal
“Há um plano para forçar FC Porto a desistir da equipa B", diz Francisco Marques
Redação
2021-02-07 14:40:00
Diretor de comunicação do FC Porto agastado com arbitragem do jogo da II Liga, em Vizela

O FC Porto B empatou neste domingo com o Vizela, em jogo da II Liga, resultado que mantém os dragões na cauda da tabela, na partida que marcou a estreia do técnico António Folha.  

Para Francisco J. Marques, este resultado deve-se a erros de arbitragem, em particular um golo anulado à formação portista, que colocaria os azuis e brancos em vantagem, bem como uma grande penalidade que não foi assinalada. O responsável pela comunicação do clube da Invicta desconfia dos erros e associa-os a jogos anteriores, considerando que existe um “plano para forçar o FC Porto a desistir da equipa B”. 

"Depois de mais um golo mal anulado e mais um penálti flagrante não assinalado, começo a acreditar que há um plano para forçar o FC Porto a desistir da equipa B e entrar nos Sub-23", reage Francisco J. Marques, exibindo o vídeo desse lance. Mas Francisco J. Marques viu outros lances que, no seu entendimento, foram mal ajuizados. E destaca o critério disciplinar, numa análise que estende à principal equipa portista. 

“Três amarelos para cada equipa. Vizela, 33 faltas, FC Porto, 11 faltas. As faltas persistentes devem ser punidas com amarelo e é lamentável que os senhores árbitros esqueçam isso quando joga o FC Porto, ou o FC Porto B”, refere. 

Recorde-se que o então técnico do FC Porto B, Rui Barros, teceu duras críticas á arbitragem, no embate com o Benfica B, que precipitou a saída do treinador e posterior entrada de António Folha. 

Uma grande penalidade assinalada contra os jovens dragões e um cartão vermelho exibido ao guarda-redes, perto do fim, geraram revolta. O Benfica adiantou-se no marcador, mas o FC Porto B ainda conseguiu repor o empate. Rui Barros não calou a indignação.  

“Dói-me ver ali os miúdos revoltados. É muito fácil marcar penáltis contra nós. Não fiz mal a nenhum árbitro... É só ver a expulsão do Ricardo, não fez absolutamente nada”, disse o então treinador da segunda formação portista. 

Francisco J. Marques considera que há erros de arbitragem que persistem, ronda após ronda, o que justifica a má classificação da equipa. Mas o diretor de Comunicação lembra, por outro lado, os critérios disciplinares aplicados nos jogos da formação treinada por Sérgio Conceição. 

Os dragões apresentam queixas em diversos encontros, em particular no último embate da I Liga, que terminou com um nulo, frente ao Belenenses SAD. Além de uma grande penalidade sobre Nanu, os campeões nacionais reclamaram pelo critério disciplinar de Fábio Veríssimo, que, no entendimento dos azuis e brancos, poupou expulsões da equipa adversária.