Portugal
"Há momentos em que é bom não falar", diz Amorim sobre jogo com FC Porto
Redação
2021-01-22 19:00:00
Treinador leonino foi multado por ter faltado à entrevista rápida e à conferência de imprensa

O treinador do Sporting, Rúben Amorim, não compareceu à entrevista rápida e à conferência de imprensa após o jogo com o FC Porto, na terça-feira, para a meia-final da Taça da Liga, que ficou marcado pela polémica dos falsos positivos que afastaram Sporar e Nuno Mendes do encontro.

O comportamento do técnico valeu-lhe uma multa de 383 euros, hoje anunciada pelo Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol. 

Esta tarde, durante a conferência de imprensa de antevisão da partida com o SC Braga, para a final da Taça da Liga, Amorim foi questionado sobre essas ausências, antes de ser solicitado a comentar o caso dos falsos positivos.

"Nós temos as nossas razões. Sabemos que vocês [jornalistas] não têm culpa, por isso também peço desculpa, mas sentimos as coisas", respondeu.

O treinador do Sporting deu a entender que esse silêncio foi a forma do grupo demonstrar a revolta pelo caso dos falsos positivos: "Há momentos em que até é bom não falar, mas não foi essa a razão, porque não iria dizer nada de mais, mas entendemos que devíamos ter feito aquilo. Não quisemos deixar passar".

Após o jogo com o FC Porto, que o Sporting venceu por 2-1, quem apareceu a dar a cara pelo emblema leonino foi o presidente, Frederico Varandas, para comentar sobre "este patético mundo covid-19".

"Sou médico e posso afirmar inequivocamente que os jogadores não têm covid-19. Falámos com o diretor clínico da Unilab e o próprio diretor clínico nos disse que se tratava de falsos positivos", afirmou o presidente.

Ainda sobre a partida com o FC Porto, Amorim admitiu que a “estrelinha” de que fala em várias ocasiões não teve influência nos golos ‘tardios’ do Sporting, depois de Marega ter deixado os dragões em vantagem no marcador.

“O mérito tem de ser dado aos jogadores. Eles acreditam até ao último momento. Não depende da equipa técnica. Se dependesse da equipa técnica, marcávamos logo nos primeiros minutos e despachávamos o assunto”, começou por referir.

"Falo na estrelinha porque a sorte tem um papel muito importante na nossa vida enquanto treinadores. Não me preocupa nada que digam que por vezes é sorte. Não tem a ver com autoconfiança. Acho que a sorte tem um papel na nossa vida. Quanto mais falo, mais tenho. Por isso, às vezes aproveito para falar nisso aqui”, complementou.

Foi também na partida com os dragões que Jovane Cabral se emocionou. "Se virem o historial do Jovane... O ano passado quando chegámos, o Silas e o departamento médico fizeram um trabalho extraordinário com ele, sendo preponderante, o que nunca tinha sido. Depois lesionou-se outra vez. Começou o ano a titular a avançado, foi muito criticado e nesse aspeto a culpa é do treinador, depois, saiu e agora está a voltar. Um jogador tão novo a viver isto ano após ano. É normal que sinta... É um miudo muito sensível, as pessoas não o conhecem, acho normal", comentou Amorim.

"Gostei do apoio dos colegas, tem o nosso apoio, mas não garante nada, não damos benesses a ninguém, mas sim oportunidades. Se Deus quiser terá uma grande carreira. As lágrimas são a prova de que estava feliz. Estou muito feliz por ele", finalizou o treinador do Sporting.