Portugal
“Há outros clubes a esconderem casos de covid-19”, acusa Tiago Pinto
2021-01-01 20:30:00
Dirigente termina funções como diretor geral para o futebol profissional do Benfica

Na hora de deixar o Benfica, Tiago Pinto afirmou que “há outros clubes a esconder os casos” de covid-19.

Num balanço dois oito anos ao serviço do clube, o diretor geral para o futebol profissional admitia alguns arrependimentos quando chegou à parte da pandemia.

“Ainda hoje comentei com a minha malta: decidimos, no início da pandemia, que para dar o exemplo diríamos quem tinha covid-19 no Benfica, para mostrar às famílias, para não haver discriminação. Era uma questão para lá da rivalidade e do mediatismo. Hoje em dia, estou arrependido, devido à forma como pegam nos nomes dos infetados do Benfica”, sustentou.

“Não tenho dúvidas de que há outros clubes a esconder os casos”, acrescentou Tiago Pinto, sem identificar alvos.

Para o dirigente, a covid-19 teve impacto na prestação desportiva do Benfica.

“As grandes equipas da Europa passam dificuldades. Isto não é só pela ausência de adeptos, a competição está concentrada, com jogos de três em três dias, e tivemos três paragens para as seleções, que retiram tempo aos treinadores. Ressentem-se mais as equipas que mudaram de treinador e precisam de tempo para assimilar processos”, explicou, em entrevista à BTV.

Antes de assumir funções na Roma, Tiago Pinto lembrou o trabalho feito no Benfica.

“Um diretor geral toma centenas de decisões por dia. Se não se arrepender de alguma é porque não tem noção ou por ser muito convencido”, comentou, referindo o orgulho pela “reestruturação do scouting” e de, “com o Rui Vitória termos o Elite Player Group”, que incidiu sobre 11 jogadores “que estavam na rota da equipa principal, como Ferro, Jota, Gedson, João Félix ou Florentino”.

O forte investimento “nas últimas duas épocas” foi justificado com a necessidade de construir uma equipa “competitiva em todas as provas”.

“O presente não faz justiça ao valor da contratação e rapidamente se coloca tudo em causa. Se pensarem friamente: o capitão da seleção belga [Vertonghen], o sub-capitão da Argentina [Otamendi], jovens de seleções como Uruguai [Darwin], Alemanha [Waldschmidt] e Brasil [Everton] não são qualidade extra para o campeonato português? Todos têm é cinco meses de Benfica”, argumentou.

Assumindo que o Benfica entrou na época com o “falhanço” de ficar de fora da Liga dos Campeões e de perder a Supertaça para o FC Porto, Tiago Pinto despediu-se com a promessa de que as águias ainda vão a tempo de terminar a temporada com sucesso.

“O Benfica tem todas as condições para ganhar os três troféus internos e ir o mais longe possível na Europa”, concluiu.