Portugal
Francisco J. Marques “parecia um menino a fazer queixinhas à professora”
Redação
2021-03-04 16:35:00
Divulgação de imagens do banco de suplentes do Sporting criticada por Octávio Machado 

Octávio Machado aponta o dedo a Francisco J. Marques, pelo facto de o diretor de Comunicação do FC Porto ter recorrido às redes sociais para atacar um jornalista, no caso que teve origem numa pergunta na conferência de imprensa. Em causa, o número de vezes que os elementos do banco do Sporting se levantaram, durante o clássico 

Francisco J. Marques tentou desmontar a teoria de que os comportamentos dos bancos dos dois clubes foram diferentes, no clássico do Dragão, publicando um vídeo no Twitter, em vésperas do jogo da segunda mão da meia-final da Taça de Portugal. Essa publicação deveu-se a uma pergunta de um jornalista, que confrontou Rúben Amorim com o comportamento do banco portista no jogo com o Sporting, gerando, mais tarde, uma reação de Sérgio Conceição e de Francisco J. Marques, nas redes sociais.

Para Octávio Machado, aquele responsável “deveria estar preocupado com outras coisas”, em particular com o jogo com o SC Braga, que se avizinhava e que viria a terminar em derrota dos dragões e afastamento da prova rainha. 

O diretor de Comunicação do FC Porto decidiu andar numa guerra com o banco de suplentes do Sporting, em vez de se preocupar com coisas mais importantes. Parecia um menino a fazer queixinhas à professora, a dizer que o outro menino lhe tirou a caneta, ou a borracha”, criticou Octávio. 

Para o antigo futebolista e treinador, estas polémicas “são coisas que não interessam a ninguém, sobretudo quando se aproximava o um jogo importante com o SC Braga. E que porventura terão distraído o FC Porto. 

Octávio Machado considera também que a frase que Sérgio Conceição dirigiu a Carlos Carvalhal, após o empate na primeira mão, pode ter motivado os arsenalistas. Recorde-se que o técnico portista terá afirmado que “11 contra 11 levavas cinco ou seis”, aludindo às duas expulsões nesse encontro, que deixaram os dragões a jogar com nove. 

“Carlos Carvalhal desvalorizou essa frase. E muito bem. Mas [essas palavras] podem ter servido de motivação à equipa do SC Braga, que já estava motivada, com a ascensão ao segundo lugar no campeonato. Não foi o FC Porto que se distraiu, foi o SC Braga que entrou muito forte. E 11 contra 11 as coisas poderiam ter sido muito mais difíceis e o resultado poderia ser histórico”, concluiu Octávio. 

O FC Porto, detentor da Taça de Portugal, foi ontem afastado da prova, após derrota por 3-2, no Estádio do Dragão, frente ao SC Braga, em jogo da segunda mão das meias-finais. Na primeira mão, em Braga, as duas equipas empataram a um golo, num jogo polémico, marcado pelas expulsões de Luis Díaz e de Uribe.