Portugal
"Fantochada. Por meia dúzia de votos? Portistas e sportinguistas gozam com isto"
Redação
2020-11-27 11:10:00
Capristano confia que eleições no Benfica decorreram dentro da legalidade

José Manuel Capristano, antigo vice-presidente do Benfica, que no último ato eleitoral apoiou Luís Filipe Vieira, não percebe tanta polémica a respeito de um vídeo que, nas últimas semanas, circula nas redes sociais e coloca em dúvida a forma como foram seladas as urnas de voto do Benfica no último ato eleitoral.

Depois de uma petição online a pedir a contagem dos votos, foi partilhado nas redes sociais um vídeo que tem dado que falar pela forma como uma urna de voto foi fechada na casa do clube encarnado em Vila Nova de Famalicão. 

José Manuel Capristano diz que não percebe as dúvidas levantadas por um grupo de associados, fazendo referência à vitória alargada que Luís Filipe Vieira obteve na votação.

"Isto dá-me vontade de rir e é uma fantochada", comentou José Manuel Capristano, recordando que Luís Filipe Vieira venceu com "sessanta e tal por cento contra trinta e tal".

"É quase o dobro e agora andam a dizer que é por Famalicão e não sei o quê?", questionou o antigo dirigente do Benfica, na CMTV, dizendo se que estão com estas coisas "por meia dúzia de votos?"

"Não sei se houve, se há, se não há [alegadas irregularidades]", realçou, confiando nas decisões do presidente da Mesa da Assembleia Geral atual do Benfica, Rui Pereira, lembrando que é um "professor catedrático".

"Quer dizer, ninguém respeita ninguém? Isto é para gáudio de portistas e sportinguistas que gozam com isto. Estes benfiquistas não acreditam em ninguém", lamentou sobre a posição tomada pelo grupo de associados que quer uma contagem dos votos físicos colocados nas urnas de voto.

"Não acreditam na institução que dizem que é deles, não acreditam em quem está à frente da instituição, nomeadamente, um senhor que conhecemos muito bem e que está acima de qualquer suspeita e que conhece do direito o que eu não conheço e que entende que não tem que fazer a Assembleia Geral extraordinária".

Também o ex-vice-presidente encarnado João Braz Frade já, anteriormente, tinha dito que o melhor para acabar com o clima de suspeição seria mandar contar os votos, embora o ex-vice do Benfica mantenha pela confiança nas pessoas que estiveram à frente da Assembleia Eleitoral.

"Se me perguntam se acho que aquilo é selar a urna de votos? Não é. Não sei se a selaram no armazém, mas deviam selar ali na frente das pessoas", explicou João Braz Frade, que não gostou de ver a forma como as urnas foram seladas (com algumas fitas).