Portugal
"Fábio Cardoso conseguiu sobreviver sem mácula"
2021-12-21 09:40:00
Ex-portista Sereno dilui peso do resultado do clássico

O desfecho do encontro entre FC Porto e Benfica, na quinta-feira, dos ‘oitavos’ da Taça de Portugal, não levantará “problemas adicionais” à temporada dos dois clubes, admite o ex-futebolista internacional luso Henrique Sereno.

“É sempre importante um ‘clássico’ FC Porto-Benfica. Ambos querem ganhar e, neste momento, estão a vencer e bem classificados na I Liga. Ou seja, ninguém vai necessitar tanto de um resultado como poderia precisar se estivesse a perder. Será um jogo sem muita pressão para as duas equipas”, vincou à agência Lusa o ex-defesa dos ‘dragões’.

O FC Porto, vencedor em 17 edições, recebe o Benfica, recordista de troféus, com 26, na quinta-feira, às 20:45, no Estádio do Dragão, no Porto, no jogo de cartaz dos ‘oitavos’ da prova ‘rainha’, que terá os adjuntos Vítor Bruno e João de Deus a orientar as respetivas equipas no banco de suplentes, face aos castigos de Sérgio Conceição e Jorge Jesus.

“Não ajuda ao espetáculo. É importante os maiores protagonistas estarem sempre dentro do relvado, como treinadores e jogadores, ainda mais neste ‘clássico’ nacional, em que toda a gente tem os olhos postos. É muito mau ambos não estarem presentes, mas são situações às quais temos de estar acostumados e que têm de ser ultrapassadas”, notou.

Falando num confronto entre “duas equipas de transição”, com “jogadores muito rápidos para poderem fazer a diferença”, Henrique Sereno, de 36 anos, vê no público um “fator importante” para estimular os ‘dragões’ a “terem um pouco mais a bola” que as ‘águias’.

“No FC Porto, Luis Díaz tem sido desequilibrador e vive uma fase em que o Benfica terá de ter muito cuidado. Está no seu melhor ano, é um grande jogador e, para mim, o que está mais em forma na I Liga e pode fazer a diferença a qualquer altura. O Rafa também vai desequilibrando, mas não tanto como o Luis Díaz e precisa de mais espaço”, avaliou.

Distinguido como melhor jogador do campeonato em outubro e novembro, o colombiano tem sido o ‘artilheiro’ do FC Porto em 2021/22, com 14 golos, em 23 jogos, logo à frente do iraniano Mehdi Taremi, que conta nove, mas não marca há 10 partidas.

“O trabalho que tem dentro de campo é impressionante. Tanto arrasta os centrais como ajuda o meio-campo. Não são só os golos que o definem. Na minha opinião, é um atleta que faz muita falta, tanto que o Sérgio Conceição nunca prescinde dele. É por isso que coloca aqueles dois pontas de lança [Mehdi Taremi e Evanilson], porque sabe que tem muita sorte em ter aí jogadores que tanto podem marcar golos como defender”, referiu.

Sereno, que venceu a Taça de Portugal pelos ‘azuis e brancos’ em 2010/11, acredita no ‘4-4-2’ como estratégia preferencial dos vice-campeões nacionais, apesar da imprevista troca para o ‘4-3-3’ no triunfo ante o Sporting de Braga (1-0), em 12 de dezembro, na 14.ª ronda da I Liga, que adiantou Vítor Ferreira no terreno e conduziu Taremi para o banco.

“Como recebe sempre sem ser de costas, é versátil e ajuda muito. O Vítor Ferreira é o melhor jogador a nível técnico que o FC Porto tem no meio-campo. Resolve situações difíceis de transporte de bola naquela zona e de trás para a frente”, observou, face às quatro titularidades seguidas do promissor médio, após um início de época intermitente.

Sérgio Conceição tem maior desassossego na composição da defesa, cuja escassez de centrais revelou ter advertido no início da época ao presidente, Pinto da Costa, e a Luís Gonçalves, administrador da SAD, devendo justificar uma ida ao mercado já em janeiro.

“As lesões do Pepe estão a vir ao de cima, o Iván Marcano ainda não está a 100% e o Chancel Mbemba também não tem estado sempre assim. O único que evolui a 100% é o Fábio Cardoso, que tem entrado sempre bem, mas o FC Porto necessita de mais um central e o Sérgio Conceição deixou claro no início que teriam de contratá-lo”, reiterou.

Aceitando a “legitimidade” dessas preocupações, o ex-central vê em Rúben Semedo, que voltou recentemente aos relvados com os gregos do Olympiacos e vai sendo apontado pela imprensa aos ‘dragões’, uma opção “técnica, física e taticamente acima da média”.

“Quanto aos problemas extra-futebol que ele traz, os clubes vão ter de conversar com o jogador e ver se realmente está a 100% e focado. Até agora, o Fábio Cardoso tem feito um trabalho extraordinário. Foi lançado às feras e conseguiu sobreviver sem mácula. Irá precisar do seu tempo, mas tem sido mais-valia e uma contratação acertada”, elogiou.

Com Iván Marcano afastado do ‘clássico’, as recuperações em tempo útil de Pepe e do sérvio Marko Grujic suscitam dúvidas no ‘onze’ para a Taça de Portugal frente ao rival lisboeta, que os ‘dragões’ reencontram sete dias depois, também em casa, para a I Liga.

“Quer perca, quer ganhe, o Jorge Jesus vai ficar e não acredito que saia já. Depois, se ganhar, provavelmente na cabeça dele irá querer outro clube e outro objetivo, mas a estabilidade do Benfica esta época está garantida, seja de que maneira for”, concluiu Henrique Sereno, que esteve contratualmente vinculado ao FC Porto de 2010 a 2013.