Portugal
Está encontrada a fórmula contra a Espanha! As chaves são Guedes e a mobilidade
2018-06-07 22:50:00
Teste positivo de Portugal antes de defrontar a Espanha e o ataque móvel parece ser a solução para começar o Mundial.

Está encontrada a fórmula para Portugal defrontar a Espanha no primeiro jogo que terá no Mundial! Foi esta a principal conclusão do encontro desta noite diante da Argélia… isso e, claro está, o bom resultado de 3-0. Em grande destaque esteve Gonçalo Guedes, que fez um bis, mas, acima de tudo, aparenta ter conquistado um lugar no onze de Fernando Santos para o começo da principal competição de seleções na Rússia. A frente móvel da equipa das quinas, com Ronaldo, Guedes (em detrimento de um André Silva mais posicional) e Bernardo Silva (à esquerda está a maior dúvida, com Bruno Fernandes a dar dois passos à frente com uma boa exibição) afigura-se como a solução para combater o poderio de nuestros hermanos e deu mostras de resultar no teste positivo desta quinta-feira no Estádio da Luz.

Sendo um jogo face a um adversário com menor pendor ofensivo, era de esperar que Fernando Santos optasse por colocar André Silva na frente de ataque, para soltar um pouco mais Ronaldo, mas o selecionador nacional preferiu apontar baterias ao primeiro duelo que terá no Mundial. De facto, foi uma aposta ganha. Portugal entrou na partida a querer mandar e impor o ritmo, alicerçada na posse de bola e com presença assídua no meio-campo argelino. Aliado às boas indicações no processo ofensivo, nos primeiros minutos, o comportamento defensivo da equipa das quinas também mereceu destaque, com uma resposta rápida à perda da bola, baseada na pressão alta (neste momento, Guedes também poderá ser fulcral, pois apresenta características que assentam precisamente nesse estilo de jogo).

A Argélia não conseguia respirar, nem construir, e mesmo com a ausência de presença na área adversária a evidenciar-se, por vezes, em Portugal, o primeiro golo surgiu logo aos 17 minutos, por intermédio daquele que foi o homem do jogo. Após um passe em abertura de William, Bernardo amorteceu de cabeça para uma entrada rompante de Guedes a rematar de primeira para o fundo das redes de Salhi. No minuto seguinte, Ronaldo poderia ter feito o gosto ao pé, mas o remate saiu à malha lateral. A verdade é que com o passar dos minutos, a Seleção Nacional foi perdendo algum fulgor, situação normal com o avançar do encontro e os argelinos subiram no terreno, sempre com base nas ações individuais de Brahimi e Mahrez, os jogadores em principal foco, ao contrário de um Slimani que esteve apagado.

No entanto, foi precisamente na fase em que estava mais monótona que a Seleção Nacional conseguiu aumentar a vantagem, através de um golo da autoria de Bruno Fernandes aos 37’. O jogador do Sporting é conhecido pelos remates de longe mortíferos, mas mostrou hoje uma vertente que não lhe é tão conhecida: o jogo de cabeça. Ronaldo dirigiu-se até ao corredor esquerdo e foi à linha de fundo cruzar para um cabeceamento certeiro de Bruno Fernandes ao primeiro poste. Um golo que surgiu como cereja no topo do bolo, com o intervalo a aproximar-se e a Argélia a ganhar outra ambição na Luz.

À semelhança do que tinha acontecido no primeiro tempo, a Seleção Nacional voltou dos balneários a conquistar, desde logo, o controlo do jogo e, inclusive, a levar o perigo à baliza adversária, com Ronaldo a ter um par de ocasiões de golo, mas a não ser feliz na cara do golo. Ao invés do jogador do Real Madrid, Guedes esteve com veia goleadora e voltou a marcar na partida, ao fazer o 3-0, à passagem do minuto 55. Raphael Guerreiro (nota para a disponibilidade física que demonstrou hoje e que deixou os portugueses descansados) combinou com Moutinho pelo corredor esquerdo e foi até à linha de fundo cruzar para Guedes ganhar nas alturas, bisar e carimbar a candidatura ao onze diante da Espanha.

Até ao final do encontro ainda houve tempo para as habituais substituições. Terminado o último teste da equipa das quinas para o Mundial, que foi positivo deve-se dizer, são poucas as dúvidas que restam para o onze que deverá entrar em campo no primeiro jogo de Portugal no Mundial, com a vizinha Espanha. Na baliza, Patrício tem lugar cativo, assim como Cédric, Pepe e Guerreiro na defesa. Esta noite foi Bruno Alves a alinhar de início, mas José Fonte parece levar vantagem. Do meio-campo para a frente, resta saber se Bruno Fernandes manterá a titularidade, ou se João Mário será chamado de início. De resto, o xadrez de Fernando Santos em pouco deve fugir àquele que esteve em campo nesta quinta-feira.