Portugal
“Dois momentos determinaram o vencedor”, lamenta Manuel Machado
Redação
2021-04-18 20:30:00
Treinador do Nacional recorda grande penalidade e uma ocasião de Camacho desperdiçadas

O treinador do Nacional, Manuel Machado, lembrou o penálti desperdiçado pelos madeirenses e uma ocasião desperdiçada para realçar que teria sido possível pontuar diante do FC Porto (0-1),  não fossem esses “dois momentos” de infelicidade. “Se calhar, se não tivéssemos falhado o penálti, poderíamos ter chegado ao intervalo com um resultado que traduzia melhor o desempenho de uma e outra equipa. O momento passível de golo que houve na primeira parte é o da grande penalidade e um outro lance antes do Camacho, que acaba por não ter a melhor finalização. É um momento determinante”, afirmou o técnico.

“Mesmo o golo que dá a diferença para o FC Porto acaba por ser mais demérito nosso do que propriamente mérito na construção da parte do FC Porto”, continuou: “A percentagem de concretização dos penalties é muito elevada, do ponto de vista estatístico. Na semana passada já tínhamos falhado um, com outro marcador, e hoje voltámos a falhar e essa eficácia penalizou-nos”.

O Nacional vive um “ciclo negativo”, pelo que lances desses acontecem de forma “recorrente”, insistiu: “O segundo tempo teve um jogo diferente, com o FC Porto muito mais em posse, que é um facto dado pelos indicadores, com uma percentagem de 60 por cento ou coisa que o valha e nós a jogar de uma forma mais vertical. Ou seja, os dois momentos atrás focados foram os que determinaram o vencedor, infelizmente para nós. Nestes momentos, estas coisa acontecem de uma forma mais recorrente e acabamos por não quebrar esse ciclo negativo que estamos a viver”.

No entanto, a exibição frente ao FC Porto deu a Manuel Machado a certeza que a manutenção ainda é possível. “Tendo em conta aquilo que é o progresso do desempenho, depois de um jogo muito mau com o Portimonense aqui em casa, fizemos um jogo muito melhor com o Santa Clara, embora com um resultado igual (1-5). O de hoje, com uma equipa de outra dimensão, com ritmo da Liga dos Campeões e que joga para o título, acho que os jogadores estiveram muito bem, com uma diferença de atitude, de maior organização, coesão e confiança. Se dermos continuidade e eu acredito que o vão fazer, com organização e intensidade, como o fizeram hoje, nos jogos que temos pela frente, continuo a acreditar que, para o ano, o Nacional vai continuar na I Liga”, destacou.

“Se eu não tivesse 40 anos disto e 500 jogos de I Liga, perguntaria o que mais irá me acontecer, mas sabemos que o futebol num momento muda e por isso é manter a organização, o trabalho, passando confiança aos jogadores do ponto de vista anímico, até pelo bom desempenho que hoje tiveram, tenho absoluta confiança que vamos poder resolver o atual de problema. O meu estado de espírito é de confiança e tranquilidade, embora triste por não ter pontuado, pois era isso que queria. Os jogadores hoje lutaram para ganhar, foram dignos dentro do campo, intensos e guerreiros e por isso estão de parabéns, pois foram dignos de representar o Nacional”, concluiu Manuel Machado.