Portugal
"Deve andar uma confusão na cabeça daquele que tínhamos por cavalheiro"
2023-12-13 11:35:00
"Não houve 'jogadores agredidos', houve um jogador a quem atiraram uma cadeira", diz portista Miguel Sousa Tavares

O FC Porto visita a casa do Sporting na próxima jornada e o jogo já ferve fora das quatro linhas, sobretudo porque as duas equipas estão igualadas na classificação da I Liga. Miguel Sousa Tavares, escritor e conhecido portista, antecipa problemas para os azuis e brancos na visita à capital portuguesa para jogar contra os leões e aponta reparos a Rúben Amorim.

"De facto, deve andar uma grande confusão na cabeça daquele que quase todos, eu incluído, tínhamos por um cavalheiro nestas coisas", afirmou Miguel Sousa Tavares, lamentando que o Sporting assuma o papel de vítima em vários campos de futebol.

"Não houve 'jogadores agredidos', houve um jogador a quem atiraram uma cadeira", comentou o escritor, em alusão a palavras de Rúben Amorim que, depois do jogo de Guimarães, se queixou do ambiente que criaram ao Sporting.

"E a 'confusão' foi iniciada por Nuno Santos - um excelente jogador que, se Amorim tivesse colocado em jogo de início, talvez não tivesse perdido em Guimarães", acrescentou Miguel Sousa Tavares.

Em declarações no Record, o conhecido adepto do FC Porto salientou que, "com toda esta ofensiva, e em especial com as palavras saídas do nada de Rúben Amorim, a estratégia do Sporting é clara", disse Miguel Sousa Tavares.

Posteriormente, o portista acabou por concretizar a sua ideia a este respeito. "Condicionar e intimidar a arbitragem do jogo de Alvalade e criar, durante e à volta do jogo, um ambiente de crispação e de ódios à flor da pele que aterrorize adversários ou faça perder o controlo nervoso", referiu Sousa Tavares.

"Isto já aconteceu noutros campos e não podemos deixar que aconteça mais"

Rúben Amorim depois do jogo, recorde-se, lamentou a confusão que se instalou no Estádio D. Afonso Henriques e lembrou que em outros estádios já aconteceu algo semelhante.

"Convenhamos que houve um pequeno problema com o apanha-bolas e depois uma pessoa chega lá e empurra um jogador do Sporting. Isto já aconteceu noutros campos e não podemos deixar que aconteça mais", disse o treinador do Sporting.

"Deixámos uma vez no Dragão, com jogadores do Sporting a serem agredidos à volta do campo, mas não admitimos isso e não deixamos que volte a acontecer", esclareceu o treinador verde e branco, em declarações aos jornalistas.

"Quando existem situações daquelas, os jogadores do Sporting não vão admitir que alguém de outro clube, que apenas quer parecer bem para os sócios, vá empurrar alguém", disse Rúben Amorim.