Portugal
"Darwin tem deficiências técnicas que dificilmente corrigirá"
Redação
2021-04-08 19:00:00
Diamantino defende que uruguaio não superará esses problemas "nem que trabalhe 24 horas por dia"

Darwin Núñez entrou na temporada a todo o vapor, mas foi ‘perdendo gás’ e já não é titular desde o encontro com o Farense, a 21 de fevereiro. A situação do avançado uruguaio tem sido ‘gerida com pinças’ na Luz, dada a impaciência dos adeptos em verem o jovem de 21 anos justificar os 24 milhões de euros gastos pelas águias na sua contratação, a mais cara na história do clube. Darwin já mostrou potencial, mas desde 11 de fevereiro que não festeja um golo, depois de um ‘bis’ ao Estoril, em jogo para a Taça de Portugal. Ao todo, o uruguaio soma 12 golos em 35 partidas pelo Benfica, tendo ainda nove assistências, mas caiu para terceira opção no ataque, com Jorge Jesus a preferir agora a dupla formada por Seferovic e Waldschmidt.

Entre os adeptos, cresce o receio de que Darwin esteja a sofrer de falta de confiança. Mas Diamantino Miranda, antigo capitão do Benfica, tem outra opinião: o que falta ao dianteiro uruguaio é aquela ‘qualidade extra’ que define um jogador de topo. “Toda a gente que acompanha este jogador desde que chegou a Portugal reconhece nele um potencial enorme, mas há coisas que lhe faltam e se não tem nunca irá ter. No futebol, há coisas que não se podem treinar”, afirmou.

Darwin tem qualidade, mas falta-lhe “aquele talento de classe” para o tornar verdadeiramente num jogador de elite, como um outro avançado da mesma idade que ontem, Mbappé, num jogo para a Liga dos Campeões, marcou dois golos ao campeão europeu Bayern Munique. Claro que o valor de mercado do uruguaio está muito distante do do francês, mas o dianteiro do PSG é, aos 21 anos, a grande figura de uma equipa que tem, entre outras estrelas, o brasileiro Neymar.

“Darwin tem algumas potencialidades para o lugar que ocupa, mas tenho alguma dificuldade em dizer que é de top mundial. Ainda ontem vimos um de 21 anos, que é o Mbappé. Reconheço em Darwin muito potencial, mas não tem 15 ou 16 anos, tem algumas deficiências técnicas que dificilmente corrigirá, nem que trabalhe 24 horas por dia”, insistiu Diamantino, apontando como exemplos as receções orientadas e o jogo de cabeça, “que para quem joga na sua posição não é muito forte”. “Agora, que tem potencial para vir a ser muito bom jogador, tem”, acrescentou.

À margem da análise à temporada de Darwin, o ex-capitão do Benfica falou sobre Rafa, numa altura em que surgem rumores de clubes ingleses interessados nos serviços do internacional português. “No futebol italiano, Rafa teria outras possiibilidades”, começou por considerar o antigo médio: “Não sendo um futebol tão veloz, teria [em Itália] um outro protagonismo que não teria em Inglaterra, onde estamos a falar de clubes como um West Albion”. “Nas equipas de topo, onde a exigência de toque e posse de bola é muita, como o Arsenal, é preciso ter outro tipo de argumentos que Rafa não tem. Para a velocidade dele, Rafa tem mais possibilidades de sobressair no futebol italiano”, concluiu Diamantino Miranda.