Portugal
Benfica repudia violência junto a Alvalade e distancia-se dos autores
Redação
2021-05-03 20:35:00
"Sejam provocados por adeptos do Benfica ou de qualquer outro clube, não deixam de ser isso mesmo, atos de violência"

O Benfica repudiou oficialmente os confrontos registados esta tarde em Alvalade, com cerca de uma dúzia de pessoas, alegadamente afetas à claque encarnada Diabos Vermelhos, a agredir adeptos da claque do Sporting Torcida Verde.

Em comunicado, o Benfica garantiu “o total repúdio e distanciamento face a qualquer ato de violência”, independentemente de quem o praticar.

“Na sequência dos acontecimentos ocorridos esta tarde, envolvendo adeptos do Benfica e do Sporting, a direção do Sport Lisboa e Benfica reafirma o seu total repúdio e distanciamento face a qualquer ato de violência. Sejam provocados por adeptos do Benfica ou de qualquer outro clube, não deixam de ser isso mesmo, atos de violência, nos quais não nos revemos e que prejudicam a imagem do futebol português e do desporto nacional”, frisaram os encarnados.

Os confrontos têm sido associados a elementos dos Diabos Vermelhos. No mesmo texto, o Benfica distanciou-se da claque, recusando que lhe sejam “imputados” quaisquer atos de violência: “Deixamos igualmente claro que tais acontecimentos devem ser devidamente punidos pelas autoridades competentes e não podem ser imputados a quem se pauta por uma postura sã e correta na sua atividade desportiva”.

O Sporting denunciou que ocorreram hoje “atos de violência gratuita” contra a Torcida Verde, uma das claques do clube, que, segundo os leões, foram desencadeados por “um grupo de adeptos do clube rival”.

“Situações desta natureza não dignificam o desporto nacional, nem são representativas do futebol em particular. O Sporting continuará sempre a defender que a cultura de medo, de conflito e de violência deve ser banida do futebol português”, referem os leões em comunicado.

Fonte oficial da PSP confirmou à agência Lusa a existência de um “incidente” junto ao Estádio José Alvalade, em Lisboa, mas não adiantou mais informações, referindo que o caso está a ser investigado pelas autoridades.