Portugal
"O que é que Rui Pedro Braz vai fazer? Que função vai ter no Benfica?"
2021-06-15 15:30:00
Maniche não compreende opção pelo ex-comentador, considerando que nem sequer seria uma "segunda escolha"

O anúncio da contratação de Rui Pedro Braz para as funções de diretor-geral para o futebol profissional continua a marcar a atualidade do Benfica. O ex-comentador televisivo começou hoje a exercer o cargo numa estrutura que perdeu Tiago Pinto, mas que manteve Rui Costa e Luisão.

Ao contrário do que acontece com Rui Pedro Braz, que tem um MBA em gestão desportiva, Rui Costa e Luisão foram jogadores profissionais que ganharam ‘peso’ no balneário encarnado antes de serem chamados a integrar a estrutura. Daí que Maniche, ex-médio que passou pelo clube, tenha dificuldade em compreender a “necessidade” do Benfica em ter um diretor-geral para o futebol.

“O que é que Rui Pedro Braz vai fazer? Que função vai ter no Benfica? Vai para o banco com o Rui Costa? No meu ponto de vista, não há necessidade de ter Rui Pedro Braz no Benfica. Ele tem capacidades para fazer essa função, mas o Benfica não precisa de um diretor-geral para o futebol”, começou por referir o antigo internacional português, num comentário para o Futebol Total, do canal 11

Ao ir buscar o ex-comentador televisivo, o Benfica fez “uma aposta de risco”, por estar a meter mais um dirigente para fazer o trabalho que já compete a Rui Costa e a Luisão, pelo menos na teoria. “Então o que é que faz o Rui Costa no Benfica? É só dizer que é vice-presidente? Que função tem o Luisão? O que as pessoas não entendem é quais as funções que o Rui Costa e o Luisão, e agora o Rui Pedro Braz, fazem na estrutura do Benfica”, reforçou Maniche.

Em causa, para o antigo médio das águias, está a função que será atribuída a Rui Pedro Braz, com Maniche a acreditar que será a mesma de Rui Costa: só muda o título do cargo. “Não sei que função é essa do diretor-geral. Diretor-geral, homem-forte do futebol, diretor-desportivo, vai dar tudo ao mesmo”, reforçou.

“Rui Pedro Braz tem formação de gestão desportiva, mas isso vale o que vale, se não exercer, falta-lhe uma experiência de alta competição”, complementou: “O Rui Costa é vice-presidente e está há muitos anos no Benfica. E não venham dizer que o Rui Costa não tem contactos, é muito respeitado e tem contactos em todo o mundo”.

O comentador do 11 salientou ainda que o novo dirigente vai entrar no balneário do Benfica sem ter passado pelo mesmo como jogador, ao contrário do que aconteceu com Rui Costa e Luisão, que foram mesmo capitães de equipa. Será, assim, um elemento estranho para o plantel, antecipou: “E no balneário? Será que os jogadores respeitam mais Rui Pedro Braz do que Rui Costa? Não acredito”.

Frisando que não estava a colocar em causa a competência de Rui Pedro Braz para o novo cargo, Maniche referiu também o ex-comentador foi a alternativa ao dirigente que Luís Filipe Vieira tinha definido como prioritário. Segundo o ex-jogador, Braz entra no clube mais pela ligação a Jorge Jesus do que por vontade do presidente.

“Não sei qual foi o critério para a escolha recair em Rui Pedro Braz, sabendo que o Benfica esteve em contactos com Miguel Ribeiro, que era a primeira escolha e que fazia todo o sentido, pela competência e experiência no cargo. O Tiago Pinto estava muito próximo do presidente e não do Jorge Jesus, aqui é o contrário. Rui Pedro Braz vai estar mais próximo do Jorge Jesus, não é uma decisão do Luís Filipe Vieira, que queria de facto Miguel Ribeiro, não esquecer. E, sem me adiantar mais, talvez Rui Pedro Braz não fosse a segunda opção”, sustentou.

O ex-comentador terá sido uma imposição do treinador do Benfica, sendo a intenção de Jesus ter mais poder dentro clube. “É uma pessoa da sua confiança. O Jorge Jesus não gosta de ser contestado, gosta de fazer tudo aquilo que quer na equipa e no clube. Não estou a ver Rui Pedro Braz a contestar Jorge Jesus”, concluiu Maniche.