Portugal
"Benfica e FC Porto gastam energia na Europa e o Sporting aproveita"
Redação
2021-05-07 22:35:00
Rui Vitória explica sucesso de Rúben Amorim para a imprensa francesa

Cada vez mais perto de se sagrar campeão nacional, o Sporting tem chamado a atenção da imprensa internacional, curiosa para perceber como uma equipa que não vencia a I Liga desde 2002 conseguiu superar os dois crónicos candidatos, FC Porto e Benfica (pela ordem da atual classificação). Agora, foi a vez do jornal francês L'Équipe, um dos desportivos mais conhecidos da Europa, dedicar algum espaço a analisar a prestação da formação verde e branca.

As explicações foram dadas por um técnico português. À margem de uma conversa sobre Renato Sanches, Rui Vitória, treinador que levou o Benfica a dois campeonatos, foi questionado sobre os motivos do sucesso do Sporting nesta temporada e desfez-se em elogios a Rúben Amorim, um treinador com "grande personalidade" que soube "aproveitar" os erros dos rivais diretos, tirando o melhor proveito da eliminação precoce da Liga Europa, diante do LASK Linz. "O Rúben mostra uma grande personalidade e aproveitou muito bem os erros cometidos pelas outras equipas. O Benfica gastou energia na Europa, o FC Porto também, o Sporting aproveitou", sintetizou.

Esse foi apenas um dos segredos, continuou Rui Vitória. A forma como Rúben Amorim construiu a equipa, juntando um punhado de elementos com 'calo' à muita juventude formada no próprio Sporting, permitiu que toda a estrutura se unisse em torno do objetivo comum: conquistar um título que fugia há quase duas décadas. "A primeira explicação é que ele é um bom treinador. Depois, há a construção de uma equipa feita à sua imagem. Ele sabia muito bem o que queria e sabia como construir a equipa. E há esse vínculo muito forte entre o treinador e a estrutura, neste caso o presidente", realçou.

"As pessoas sentem isso, que todos estão trilhando o mesmo caminho e então tudo fica mais fácil", insistiu Rui Vitória, apontando também os méritos de Amorim no plano tático, criando um 3x4x3 que outras equipas também passaram a explorar depois de cumprida meia época. "Os bons resultados validaram esse esquema e esse esquema permitiu alcançar bons resultados", salientou.

Ao montar a equipa à sua imagem, o treinador do Sporting optou por privilegiar o resultado em vez da nota artística, com os leões a vencerem vários encontros pela margem mínima, alguns deles já nos descontos. "Não é uma equipa que foi sempre foi brilhante, mas está bem conectada, consistente. Acreditam a todo o momento que podem vencer, que vai correr bem. Grandes equipas são as que nem sempre se preocupam em fazer grandes partidas, mas que sabem ser muito pragmáticas", apontou o ex-técnico encarnado, atualmente sem clube.

"Pessoalmente, gosto quando a minha equipa é desinibida, leve, ataca a competição de forma positiva. Ter uma equipa à vontade em campo é um verdadeiro prazer como treinador. E também é um prazer ver que a equipa está confortável a defender Ver essa alegria, esse prazer com e sem bola, é a satisfação de um treinador", disse ainda Rui Vitória, nesta análise ao campeonato do Sporting para o L'Équipe.

Nesta entrevista, Rui Vitória foi ainda desafiado a falar sobre Renato Sanches, médio que lançou no Benfica e que tem estado a brilhar no Lille, atual líder do campeonato francês: "É um jogador diferente. Quando agarra a bola, pode destruir a equipa adversária sozinho e, com ele, uma ação defensiva rapidamente passa a ofensiva. Gosta de arriscar. Ele tem aquele lado atrevido. Em 2016, no Benfica, teve um impacto incrível na equipa. É um vencedor por natureza, alguém que encontra dificuldades e as supera. Pode chegar onde quiser. Deve encontrar a estrutura certa e dar tudo de si. Connosco era um animal selvagem e aproveitámos esse lado".