Portugal
Benfica confirma presença na 'final four' da Taça da Liga
Redação
2021-01-19 18:45:00
Encarnados vão a jogo, apesar do surto de covid-19 que afeta a equipa e 'staff'

O Benfica garantiu há momentos que "vai marcar presença na 'final four' da Taça da Liga, não obstante o surto de covid-19 que afeta o plantel, 'stff' e até o presidente, sendo que o treinador Jorge Jesus apresenta sintomas da doença.

"Com a ambição de vencer a prova, à imagem do que acontece em todas as competições que disputa", o clube da Luz garante que irá lutar pelo troféu, numa fase da prova que arranca hoje, com o clássico entre Sporting e FC Porto. Os encarnados irão defrontar o SC Braga, na outra meia-final.

"Após ter exposto publicamente, de forma cautelar e transparente, o aumento de casos de covid na sua estrutura profissional, não recebeu por parte das autoridades competentes – DGS e Liga – qualquer recomendação contrária às regras até agora vigentes nas competições nacionais. Ou seja, proceder ao isolamento dos jogadores que testaram positivo e incluir no lote de atletas à disposição da sua equipa técnica todos aqueles que testaram negativo, 48 horas antes da partida", esclarece o Benfica, numa nota publicada no site. 

"Nesse sentido, em mais um testemunho de inabalável espírito de grupo e tenacidade do seu plantel, o Benfica reafirma a intenção de marcar presença amanhã na meia-final da Taça da Liga, com o desígnio de vencer um troféu que já conquistou por sete vezes", adianta ainda o clube.

No mesmo comunicado, o Benfica informa que, longo da época, realizou "mais de 7000 testes SARS-CoV-2 a todos os elementos da sua estrutura profissional – em média, 82 por cada colaborador – num universo que se situa claramente acima das orientações da DGS e do que se encontra estipulado pela Liga, sendo provavelmente a equipa que mais testou em Portugal". 

O emblema lisboeta vinca ainda o comportamento do seu 'staff', que "se tem pautado, desde sempre e sem exceções, pelo escrupuloso cumprimento das normas e das recomendações emanadas pelas autoridades competentes no que às equipas profissionais concerne em atual contexto pandémico". 

O Benfica detetou 17 novos casos de covid-19 entre jogadores, equipa técnica e ‘staff’ no decurso dos testes de despistagem realizados desde sábado, tendo encontro marcado com o SC Braga nesta quarta-feira, na Taça da Liga, em Leiria.

Na segunda-feira, a comunicação social portuguesa deu conta de vários casos de infeção nas 'águias', nomeadamente do avançado alemão Luca Waldschmidt, dos treinadores-adjuntos João de Deus, Pietra e Fernando Ferreira e do diretor Luisão, acrescentando que os brasileiros Gilberto (também infetado) e Everton Cebolinha cumpriam isolamento.

Mais tarde, informou que Gilberto, Vertonghen, Grimaldo, Diogo Gonçalves e Waldschmidt eram os únicos elementos do plantel infetados. Também nesta terça-feira, soube-se que o presidente Luís Filipe Vieira também está infetado com o novo coronavírus.

No calendário do Benfica para os próximos 14 dias surgem os jogos em casa com Nacional (15.ª jornada da I Liga) e Belenenses SAD, dos quartos de final da Taça de Portugal, além da visita ao Sporting (16.ª jornada), podendo ainda marcar presença na final da Taça da Liga no sábado, frente ao vencedor do jogo entre Sporting e FC Porto.

De acordo com o plano de retoma do futebol profissional, "os atletas e equipas técnicas da equipa na qual foi identificado um caso positivo podem ser considerados contactos de um caso confirmado”.

“No entanto, a identificação de um caso positivo não torna, por si só, obrigatório o isolamento coletivo, das equipas. A determinação de isolamento de contactos (de praticantes e outros intervenientes), a título individual, é de estrita competência da Autoridade de Saúde territorialmente competente", acrescenta o mesmo documento da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP).

Este plano, que vigora desde 07 de setembro de 2020, determina que todos os infetados, sintomáticos ou não, devem ser isolados, "ficando impossibilitados de participar em treinos e competições até à determinação de cura deliberada pela Autoridade de Saúde territorialmente competente".