Portugal
“Alguém tem dúvidas de que Conceição vai embora se não for campeão?”
Redação
2021-02-17 15:15:00
Carraça diz que o sucesso é efémero, defende que Amorim tem de capitalizar o momento e recorda Rui Vitória e Bruno Lage

A ascensão meteórica de Rúben Amorim, que colocou o Sporting na primeira linha dos candidatos ao título, com uma vantagem mais do que folgada, esteve em análise no Futebol Total. Mas a subida a pique do técnico leonino cruzou-se com uma dura realidade no futebol: o sucesso é efémero, na carreira de um treinador. Daí que António Carraça estenda essa ideia para outro técnico bem-sucedido nos últimos anos: Sérgio Conceição. O treinador do FC Porto conduziu a equipa ao topo do futebol nacional, apesar das restrições financeiras do clube, mas uma derrota nesta temporada vai, segundo Carraça, determinar a saída. 

antigo diretor de futebol do Benfica, António Carraça, que trabalhou ao lado de Jorge Jesus entre 2011 e 2013considera que todos os feitos de Conceição serão 'esquecidos' se o dragão não vencer a I Liga. E antecipa uma saída de Sérgio Conceição do FC Porto, caso os dragões não se sagrem bicampeões nacionais. No canal 11, António Carraça lembrou que “o futebol é o momento”, teoria que se aplica a... Rúben Amorim.  

Sem retirar o mérito ao Rúben Amorim e à forma como o Sporting projetou a época, este é o momento Rúben Amorim, assim como já aconteceu o momento Rui Vitória. Ganhou dois campeonatos, as coisas começaram a correr mal, e depois? Vai-te embora. Assim como já houve o momento Bruno Lage. Em seis meses, com menos sete pontos, foi campeão, perde meia-dúzia de jogos e depois? Vai-te embora. Esta carreira é assim”, começou por dizer. 

António Carraça acredita que no FC Porto o cenário não será diferente e está convencido de que, caso os dragões não revalidem o título, a porta de saída do técnico estará escancarada. “O Sérgio Conceição permanece no FC Porto há quatro anos porque alguém tem paciência. Foi campeão, deixou de ser, voltou a ser, mas... Alguém tem dúvidas de que Conceição vai embora se não for campeão?”, questiona. 

Insistindo na teoria do sucesso efémero, na carreira do treinador, Carraça sustenta que este é “o momento” do treinador do Sporting, que terá de “capitalizá-lo”, porque é certo que chegará o dia em que deixará de ganhar. 

Claro que o Rúben Amorim tem mérito, sobretudo com a aposta no mercado nacional, que outros clubes descuram e põem de lado. O Sporting e o Rúben tiveram esse mérito e estão a ganhar. Mas os treinadores não ganham todos os anos. Este é o momento do Rúben Amorim e ele tem de aproveitá-lo e capitalizá-lo. Há de chegar o dia em que vai começar a perder”, antecipa. 

Presente no estúdio, Rui Vitória, que foi citado no raciocínio de António Carraça, concorda. “A carreira de treinador é mesmo isto”, realçou, ao mesmo tempo que entrega medalhas a Rúben Amorim e à estrutura do Sporting, em particular Frederico Varandas e Hugo Viana, que trabalham com o técnico. 

O Rúben está a ter um sucesso rápido, mas muito bem conseguido. Quando sai um jogador do plantel do Sporting para a equipa B, poderia haver ruído, mas sente-se que aquela decisão já f oi discutida entre todos e toda a gente está de acordo. Há uma grande coerência e aí é preciso dar mérito à estrutura do Sporting e a quem trabalha junto do Rúben, o presidente e o Hugo Viana”, salientou o treinador que passou pelo Benfica. 

Rui Vitória considera ainda que Rúben Amorim “está a ter um discurso coerente e muito simples e os jogadores gostam de coerência e confiançaEle transmite isso. Está num processo positivo, mas, como o António Carraça acaba de dizer, a carreira de treinador é mesmo isto”, completou.