Portugal
Adrien "forçou a saída" e agora "força a entrada" com "campanha de vitimização"
2020-08-10 20:55:00
Antigo jogador da I Liga, Márcio Madeira, lamenta situação do ex-capitão leonino

Adrien Silva revelou que gostava de regressar ao clube leonino, mas lamentou que o seu nome não entrasse no topo das preferências de Rúben Amorim. Para Márcio Madeira, antigo jogador de vários emblemas da I Liga, lamenta que jogadores que quiseram sair de um determinado clube depois tudo façam para voltar. Para o ex-jogador trata-se de uma situação cada vez mais comum em Portugal.

"Adrien quis muito sair do Sporting", afirmou, dizendo que o então capitão leonino "forçou a saída".

"Não digo com isto que fez mal. Mas podia não ter feito", considera Márcio Madeira, em artigo de opinião que assina no portal ZeroZero, defendendo que como Adrien há outros casos de atletas que deixam a Liga portuguesa e depois passados alguns anos querem voltar.

"O que me chateia. O que me aborrece. É isto que muitos jogadores fazem. E Adrien foi agora a cara mais visível e serve como exemplo. A vontade de voltar eu até percebo e respeito. Agora esta campanha de vitimização. De passar a ideia que o clube não o quer", criticou Márcio Madeira.

O antigo atleta realça ainda que isto "é feio" e "confunde sócios e adeptos" leoninos, destacando que Adrien "forçou a saída" como "agora força a entrada".

"Pressionou a transferência antes e está a fazê-lo agora", anotou, dizendo que também há outros casos como "David Luiz e Hulk" que, a dado momento, saem da I Liga portuguesa, mas nunca fase mais adiantada da carreira pretendem regressar ao campeonato luso.

Em entrevista ao jornal A Bola, o internacional português revelou que uma pessoa falou, a pedido de Adrien, com Rúben Amorim e Frederico Varandas, presidente do Sporting, tendo em vista a possibilidade de representar os leões.

"Falou uma pessoa a meu pedido com o treinador e com Frederico Varandas e disseram-lhe que o meu nome não estava em cima da mesa", afirmou Adrien.

Após ter saído para os ingleses do Leicester, Adrien acabou por estar meio ano parado devido a atrasos na sua inscrição, na altura em que Bruno de Carvalho era presidente.

Depois, Adrien acabou por nunca se conseguir fixar nos foxes e acabou emprestado.