Portugal
"A quem deve o Benfica agradecer esta paz pré-estival? A Pinto da Costa, claro"
2024-06-08 15:30:00
"O momento do FC Porto é de tal modo avassalador que não há lugar para se falar de outro clube", diz Leonor Pinhão.

O Benfica encerrou a temporada 2023/2024 apenas com a conquista da Supertaça Cândido de Oliveira na bagagem, um feito que, embora significativo, não satisfez as elevadas expectativas dos exigentes adeptos benfiquistas.

Com a época encerrada no que aos clubes diz respeito, e num cenário de pressão e descontentamento por parte da massa associativa das águias, Rui Costa, presidente do Benfica, optou por ir contra a vontade da maioria dos adeptos e decidiu manter Roger Schmidt no comando técnico para a próxima época, decisão esta que tem dividido opiniões entre figuras ligadas ao emblema da Luz.

Depois de uma temporada onde Rui Costa teve que lidar com alguns problemas internos, o líder máximo do Benfica viu também o seu nome ser ligado a um esquema fraudulento, que remonta ao período em que Luís Filipe Vieira era o Presidente encarnado e Rui Costa um dos seus braços direitos, e que fez agitar as águas da Luz. 

No culminar de uma época que não correu de feição a Rui Costa, muito por culpa da ausência de conquistas notáveis depois de um investimento recorde no plantel, e que acabou por ter um desfecho feliz para Roger Schmidt, técnico alemão que mereceu o voto de confiança do líder das águias, apesar do fracasso que resumiu a época das águias, muitas são as dúvidas que pairam sobre a Luz.

"O Benfica tem passado por este defeso sem sofrer"

Ora, é certo que a bola parou de rolar na Luz, no entanto Leonor Pinhão, conhecida adepta do Benfica, não esquece a época que ficou muito aquém das expetativas e, perante os problemas internos e externos que parecem existir no emblema lisboeta, Pinhão destaca o fato das contrariedades não terem tirado a 'paz' necessária para se preparar a nova época.

No artigo de opinião que assina no jornal 'Record', a sócio da Benfica salienta que, apesar de uma época que classifica como 'colapso desportivo', os encarnados têm conseguido escapar às criticas da comunicação social.

"O Benfica tem passado por este defeso sem sofrer, às mãos dos desapiedados jornalistas, as frechadas devidas pelo colapso desportivo mais caro da sua História", começou por escrever Pinhão, antes de explicar o porquê desta 'paz' entre a imprensa e os encarnados.

"Não se pense que esta paz relativa nos jornais e nos ecrãs de televisão no que toca aos grandes temas da Luz é resultado de um carinho ou de uma compreensão amorosa das frustrações encarnadas em 2023/24. É exclusivamente por falta de espaço que o Benfica, desde que a época terminou, tem sido poupado à inclemência da critica interna e externa", observou Pinhão.

Segundo a opinião da conhecida sócia das águias, o que está a passar, dos bastidores da Luz para a esfera pública, são problemas 'burocráticos', nada que preocupe a massa associativa encarnada.

"O que transparece para a praça pública do momento do Benfica são apontamentos noticiosos pouco mais do que burocráticos, nada de exaustivo que cole os benfiquistas às redes sociais, aos jornais e aos debates televisionados. Porquê? Porque não há espaço", explicou.

De acordo com Leonor Pinhão, a paz que se verifica na Luz depois de uma época muito tumultuosa, tem apenas um responsável: Jorge Nuno Pinto da Costa. Segundo a adepta benfiquista, o fato do ex-presidente do FC Porto ter deixado o clube numa situação deveras preocupante fez desviar as atenções da Luz para o Dragão.

"A quem deve o Benfica agradecer esta paz pré-estival? A Jorge Nuno Pinto da Costa, obviamente. O momento do FC Porto é de tal modo avassalador em novidades quase diárias que não há lugar para que se falasse das menoridades relativas a outro emblema", destacou Pinhão, antes de aprofundar a sua análise.

"Menoridades, sim, porque tudo é menor, em termos de impacto na opinião pública, em comparação com o estado em que a direção do FC Porto e a administração da SAD entregaram, a muito custo, as responsabilidades do poder aos vencedores das eleições de abril", observou.

Antes de terminar a sua crónica, Leonor Pinhão comentou ainda o fato de Pinto da Costa ter deixado apenas 8 mil euros nos cofres do emblema da Invicta, algo que segundo a sócia encarnada contribuiu ainda mais para que os holofotes da imprensa desportiva nacional recaissem sobre o Dragão e não sobre a Luz.

"Sem esquecer o picante pormenor revisteiro dos oito mil euros à ordem na conta do banco. Perante isso, concordem, não há espaço para muito mais", rematou Leonor Pinhão.

A temporada 2023/2024 do Benfica foi marcada pela conquista da Supertaça e pela controvérsia em torno das decisões administrativas e técnicas. A escolha de manter Roger Schmidt no comando, apesar da pressão e das críticas, reflete a determinação de Rui Costa em seguir um caminho que acredita ser o melhor para o clube.

Contudo, a nova temporada trará novos desafios e a necessidade de provar que as escolhas feitas foram acertadas. O foco mediático, agora desviado para o FC Porto, poderá voltar rapidamente para a Luz se os resultados não forem os esperados, tornando cada jogo e cada decisão ainda mais cruciais para o futuro das águias.