Portugal
Sporting "convida" Jaime Marta Soares a avançar com pedido de Assembleia Geral
Mauro
2018-06-11 16:25:00
Na mesma conferência de imprensa, avançou-se que a AG marcada para dia 17 decorrerá no Pavilhão João Rocha.

"A partir deste momento, o associado Jaime Marta Soares já pode vir quando quiser e fazer o pedido de imediato". A frase é de Fernando Correia, porta-voz do Conselho Diretivo do Sporting, em conferência de imprensa dada nesta segunda-feira, em Alvalade. Questionado acerca da falta de receção a Marta Soares, quando o dirigente tentou marcar uma Assembleia Geral de destituição, Fernando Correia garantiu que, agora, Marta Soares já poderá fazê-lo, não explicando, ainda assim, por que motivo agora já é uma ação aceite pelo clube. 

"Queremos relembrar que os serviços do Sporting estão, agora, preparados para receber qualquer pedido de associados para realização de uma AG destituitiva. O próprio associado Jaime Marta Soares poderá fazê-lo de imediato. Se os serviços constatarem a validade do processo, mantemos o nosso pedido de agendamento dessa Assembeia Geral para um prazo não superior a dez dias, garantindo todas as condições de segurança".

Na mesma conferência de imprensa, Fernando Correia avançou ainda que a Assembleia Geral (AG) marcada pelo Conselho Diretivo (CD) para dia 17 decorrerá no Pavilhão João Rocha, a partir das 14h. 

Sobre a AG, o porta-voz detalhou os motivos da proposta de alteração aos estatutos:

[Sobre terem elegido uma comissão transitória da Mesa da AG]. "Há uma lacuna nos estatutos. Para solucionar esta lacuna, instituiu-se expressamente a Comissão Transitória da Mesa da Assembleia, conclusão que já decorria dos termos gerais do direito. 

[Sobre terem marcado a AG de dia 17]. "Perante jurisprudência de tribunais, fica inequivocamente claro que cabe ao Conselho Diretivo proceder à marcação de Assembleias Gerais".

[Sobre a possibilidade de substituir elementos demissionários do CD]. "Não estamos a propor nada de novo. Isto esteve consagrado nos estatutos até 2013 e foi utilizado várias vezes por diversas direções. Foi este CD que propôs a retirada desse artigo dos estatutos e os sócios aprovaram-no. Fizemo-lo porque não pensámos que pudessem existir demissões por motivos como chantagens, pressões e ofertas de dinheiro. Isto coloca o CD em permanente sobressalto e não é saudável gerir o clube nesta instablilidade. Darem-nos a possibilidade de substituir elementos demissionários permite-nos continuar a boa gestão desportiva e financeira. Mas a vontade dos sócios é soberana e decidirão se querem ou não esta alteração"