Modalidades
Telma Monteiro e Catarina Costa terminam Masters de Doha no quinto lugar
Redação
2021-01-11 17:55:00
Judocas portuguesas perderam os combates para atribuição da medalha de bronze

Telma Monteiro (-57 kg) e Catarina Costa (-48 kg) terminaram hoje em quinto lugar nas respetivas categorias no Masters de Doha, com as duas judocas a perderem nos combates para atribuição da medalha de bronze.

No primeiro dia de competição, destinado às categorias mais leves, Portugal teve três judocas em ação, entre as quais Telma Monteiro, a única portuguesa com medalhas na competição, uma de ouro (2011), uma de prata (2012) e duas de bronze (2013 e 2019).

Telma Monteiro não conseguiu repetir os anteriores êxitos, num percurso que se saldou com três vitórias, frente a Sabrina Filzmoser (29.ª), Ghofran Khelifi (36.ª) e Cheb-Ling Lien (12.º), e duas derrotas, com Sarah Leonie Cysique (sétima) e Nora Gjakova (quinta).

As duas derrotas de Telma Monteiro aconteceram frente a adversárias mais bem classificadas no ‘ranking’, no primeiro, com a francesa Cysique, com a portuguesa a ter de sair para enfaixar a cabeça, magoada, e no segundo diante de uma rival com quem tinha vencido apenas dois de sete combates.

Para a atribuição do bronze, Telma Monteiro ainda levou o combate, muito equilibrado, para o ponto de ouro, mas Gjakova garantiu o triunfo, por ‘waza ari’, quando estavam decorridos 1.38 minutos do ‘prolongamento’.

Já Catarina Costa (oitava do ‘ranking’), isenta na primeira ronda, apenas fez quatro combates, numa categoria que teve 24 judocas, e em que teve o ‘azar’ de encontrar a líder mundial, a kosovar Distria Krasniqi, e a número dois, a ucraniana Daria Bilodid.

Combates que a judoca da Académica perdeu, no acesso às meias-finais e já no combate pelo bronze, num percurso em que tinha começado por vencer a mongol Narantsetseg Ganbaatar (18.ª), e, na repescagem, a espanhola Julia Figueroa (quarta).

Telma Monteiro e Catarina Costa saem do Masters de Doha com 648 pontos, que lhes permitem descartar piores resultados na soma para a qualificação olímpica e com a possibilidade de subirem no ‘ranking’, em que se encontram em zona elegível para Tóquio2020, prova adiada para 2021.

Joana Ramos, em -52 kg, a terceira judoca portuguesa hoje em prova, estreou-se com uma vitória, por ‘waza ari’, frente à britânica Chelsie Giles (17.ª), mas na ronda seguinte acabou derrotada diante da líder mundial, a francesa Amandine Buchard, que acabaria por arrecadar, mais tarde, o ouro.

No Masters, competição que decorre desde 2010 e reúne, no final de cada época, os melhores judocas, primeiro, os 16 mais bem classificados de cada categoria, e atualmente o ‘top-36’, Portugal conta com um total de sete judocas.

Portugal conta ainda na terça-feira com a vice-campeã mundial Bárbara Timo (-70 kg) e com Anri Egutidze (-81 kg), e, na quarta-feira, no último dia, com Rochele Nunes (+78 kg) e o campeão mundial Jorge Fonseca (-100 kg).

Maria Siderot (30.ª em -48 kg) e Patrícia Sampaio (13.ª em -78 kg) tinham vaga assegurada também, mas falharam a ida a Doha por se encontrarem a recuperar de lesões.