Modalidades
Quintana recordado com inscrição no Dragão Arena
Redação
2021-03-18 23:20:00
FC Porto faz nova homenagem ao falecido andebolista

O FC Porto continua a honrar a memória de Alfredo Quintana, o guarda-redes da equipa de andebol que morreu a 26 de fevereiro, dias depois de ter sofrido uma paragem cardiorrespiratória durante o treino.

Os dragões inscreveram uma frase do internacional português no Dragão Arena, garantindo assim que Quintana “jamais será esquecido”.

“As memórias do que vivi aqui vão ficar bem guardadas no meu coração. Foi o FC Porto que me permitiu ser o que sou hoje”, disse Quintana, numa frase imortalizada no pavilhão dos dragões.

O guarda-redes da equipa de andebol entrou em paragem cardiorrespiratória a 22 de fevereiro, durante um treino, e viria a falecer quatro dias depois, no Hospital de São João, no Porto, com 32 anos de idade.

A morte de Quintana deu origem a um inquérito do Ministério Público, a cargo do Departamento de Investigação e Ação Penal do Porto, que pretende apurar os incidentes que levaram ao desfecho trágico.

“Como acontece perante qualquer comunicação de óbito cujas causas são desconhecidas, o Ministério Público determinou a instauração de um inquérito com vista à averiguação da causa de morte”, informou a Procuradoria-Geral da República.

O FC Porto tem feito várias homenagens a Quintana, lembrado por Pinto da Costa no editorial da revista Dragões. “O Quintana foi um verdadeiro herói do FC Porto. Vindo de Cuba em 2011, não demorou a adotar a cidade do Porto e o clube que o recebeu e que nunca quis deixar, apesar das propostas muito vantajosas que recebeu, como pátrias do coração. A atitude dedicada e competente com que serviu o FC Porto até ao último dia da sua curta vida é um dos seus mais importantes legados desportivos e terá de servir como inspiração para todos os que por cá continuarão a construir uma história que é eterna”, destacou o presidente dos dragões.

No primeiro jogo da equipa de andebol após a morte do guarda-redes, com os noruegueses do Elverum, no encontro de encerramento da fase de grupos da Liga dos Campeões, foram transmitidas imagens e declarações de Quintana no ecrã do Dragão Arena, durante o minuto de silêncio em memória do atleta.

Nascido em Havana (Cuba), o guarda-redes, de 2,01 metros, ingressou no FC Porto em 2010, naturalizou-se português e tornou-se internacional em 2014. Com a camisola dos dragões, Quintana conquistou seis campeonatos, uma Taça e duas supertaças.

Quintana era também uma das referências da seleção nacional de andebol, que representou em 67 jogos, tendo feito parte das equipas que conquistaram o sexto lugar no Europeu de 2020 e o 10.º no Mundial 2021, as melhores classificações lusas de sempre.

No passado domingo, quando a seleção de andebol conseguiu um apuramento olímpico inédito, Alfredo Quintana foi lembrado por toda a comitiva portuguesa. "Não conseguimos isto sozinhos. Quero agradecer também ao Quintana. Estes jogadores são realmente pessoas, guerreiros. Houve ali um momento em que foi difícil gerir a situação", disse o selecionador nacional, Paulo Jorge Pereira.