Modalidades
Benfica imortaliza Alfredo Quintana no Museu
Redação
2021-03-26 19:25:00
Camisola de homenagem ao andebolista incluída no acervo das águias

O Benfica homenageou o falecido Alfredo Quintana, antigo guarda-redes da equipa de andebol do FC Porto e da seleção nacional, com a deposição de uma camisola no Museu.

Numa altura em que Quintana se encontrava a lutar pela vida, a equipa de andebol das águias manifestou-se solidária, com várias iniciativas de apoio ao jogador portista. Após a morte do atleta, Arnau García criou uma camisola oficial do Benfica em homenagem a Quintana, com o número 9. É essa camisola que o Benfica vai agora colocar no Museu.

“A camisola de homenagem a Alfredo Quintana utilizada pelo andebol do Benfica é agora uma peça do acervo do Sport Lisboa e Benfica. Para que a memória nunca se apague”, anunciou o clube da Luz.

A 26 de fevereiro, dia em que o FC Porto comunicou a morte de Alfredo Quintana, o Benfica emitiu uma nota de condolências e classificou o guarda-redes como uma “referência” do andebol português.

 “Quintana era um dos mais marcantes guarda-redes de andebol da atualidade. Natural de Havana, naturalizou-se cidadão português e passou a representar a Seleção Nacional, desde 2014, estando associado às melhores participações de sempre num Europeu (6.º classificado, em 2020) e num Mundial (10.º, há cerca de um mês). Este é um momento para homenagear um atleta de excelência que sempre deu tudo pelas camisolas que envergou. Ficam o seu exemplo e forte espírito desportivo, que certamente permanecerão como referência para os jovens que ambicionam fazer carreira no andebol de alta competição”, registou o Benfica.

Alfredo Quintana morreu a 26 de fevereiro, aos 32 anos, dias depois de sofrer uma paragem cardiorrespiratória durante o treino do FC Porto, clube pelo qual conquistou seis campeonatos, uma Taça e duas supertaças.

O atleta, que completaria 33 anos em 20 de março, foi assistido de imediato, com apoio de uma viatura do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), tendo sido transportado para o Hospital de São João depois de estabilizado. Dias depois, perderia a luta pela vida.

Nascido em Havana (Cuba), Quintana, de 2,01 metros, ingressou no FC Porto em 2010, naturalizou-se português e tornou-se internacional em 2014, tornando-se numa referência da equipa das ‘quinas’, que representou em 67 jogos, tendo feito parte das seleções que conquistaram o sexto lugar no Europeu de 2020 e o 10.º no Mundial 2021, as melhores classificações lusas de sempre.

A morte de Alfredo Quintana consternou o desporto português, que prestou várias homenagens ao atleta. A mais emocionante ocorreu a 14 de março, quando Portugal conquistou um apuramento olímpico inédito em andebol.

“Antes de mais, digo-vos já que não conseguimos isto sozinhos. Quero agradecer também ao Quintana”, comentou o selecionador nacional, Paulo Jorge Pereira, durante os festejos pelo apuramento para os Jogos de Tóquio.

“O apuramento olímpico tem muito do nosso Alfredo Quintana”, reforçou, pela mesma altura, o presidente da Federação Portuguesa de Andebol, Miguel Laranjeiro: “Ele esteve sempre connosco e é pelo nosso Quintana que vamos a Tóquio. Este é um momento importante e histórico para o andebol português, mas também para todo o nosso desporto em geral”.

A camisola de homenagem a Alfredo Quintana utilizada pelo #AndebolBenfica é agora uma peça do acervo do Sport Lisboa e...

Posted by Museu Benfica - Cosme Damião on Friday, 26 March 2021