Grande Futebol
Vitória de Guimarães acordou tarde numa exibição pálida contra o Konyaspor
2017-09-28 20:35:00
O Vitória de Guimarães saiu da Turquia com uma derrota, por 2-1, na segunda jornada da fase de grupos da Liga Europa

Falhas defensivas e falta de ideias no ataque, que não foram ultrapassadas por um Vitória de Guimarães que acordou tarde demais no desaire perante o Konyaspor, por 2-1, a contar para a Liga Europa. A equipa vimaranense exibiu-se de forma pálida durante a primeira parte, sofreu um golo fatal no início do segundo tempo, ainda entrou em jogo com um golo que surgiu fruto das alterações de Pedro Martins, mas o esforço final não foi suficiente para evitar uma derrota em solo turco.

Não há equipa e, principalmente, treinador que não goste de entrar bem nos jogos. Ora, foi precisamente o contrário disso que aconteceu esta tarde/noite ao conjunto de Guimarães, em Konya. A turma de Pedro Martins esteve muito passiva nos minutos iniciais da partida, com o setor recuado a ser o mais visado pela negativa, devido ao facto de deixar os adversários jogarem à vontade perto da área vimaranense, o que levou a incidência de perigo junto para a baliza defendida por Miguel Silva (única alteração do técnico do Vitória no onze). A nota mais positiva no começo de jogo vitoriano foi mesmo Heldon, que conseguiu ser o municiador ofensivo da equipa, com várias incursões em velocidade pelo corredor direito. Ainda assim, era um Vitória sem ideias no momento da decisão ofensiva e o pior estava para vir.

Quando o relógio marcava os 24 minutos de jogo, o Konyaspor chegou à vantagem, numa jogada que demonstra de forma explícita as falhas defensivas vimaranenses e a perícia no ataque dos turcos. Na sequência de um lançamento lateral, Friday subiu ao segundo andar e ganhou a João Aurélio nas alturas, desviando a bola para a entrada da pequena área, onde surgiu Araz, deixando para trás os centrais do Vitória, a rematar para o fundo das redes da baliza adversária. A turma de Pedro Martins pôs-se a jeito e o Konyaspor aproveitou.

Falta de critério no ataque, mais falhas na defesa

Com o golo consentido, seria de esperar uma resposta forte do Vitória para voltar a entrar em jogo, certo? Errado. Não foi isso que aconteceu em Konya. Com o passar dos minutos, foi verificável que os vimaranenses não atacavam com critério, mesmo sem o Konyaspor efetuar uma pressão alta ao portador da bola, limitando-se os jogadores da equipa turca a uma boa ocupação dos espaços, em momento defensivo, e a obstruir as linhas de passe. Os pontos fortes da equipa turca contrastavam com os fracos dos portugueses: o Konyaspor criava perigo pelos corredores laterais, zona em que o Vitória fraquejava, assim como no centro do meio-campo.

Com o 1-0 no final dos 45 minutos, o Vitória via na segunda parte a oportunidade ideal para se soltar no ataque e tentar a igualdade no marcador. Porém, o plano saiu estragado com o golo do Konyaspor logo aos 48 minutos, em novo lance que demonstrou as fragilidades defensivas da turma de Guimarães. O golo surgiu de um passe em abertura de Fofana para Skubic, que estava sem marcação no corredor direito e cruzou para a zona de penálti, onde apareceu Milosevic com um cabeceamento forte e certeiro para o 2-0. Konan ficou mal na figura, pois estava fora de posição e foi da sua zona que surgiu o perigo do lance.

Porém, o Vitória ainda conseguiu dar um ar de sua graça e colocar de sobreaviso as hostes turcas. Depois de já ter efetuado a feliz substituição de colocar Francisco Ramos em campo (deu maior rodagem ao meio-campo e um maior raio de ação à equipa), Pedro Martins lançou a última cartada com a entrada de Hélder Ferreira, em detrimento de Estupinan (não conseguiu aparecer no jogo), o que conferiu ao Vitória maior mobilidade ofensiva. Isto porquê? Heldon passou para avançado, no centro do ataque, e os efeitos surgiram pouco tempo depois. Em jogada individual pelo centro do terreno, o cabo-verdiano entrou na área do Konyaspor e cruzou atrasado para Hurtado rematar e fazer o golo vimaranense, aos 75 minutos. Até ao apito final, os lances foram divididos entre ambas as equipas, sem ninguém conseguir fazer o gosto ao pé.

No capítulo da arbitragem, Aleksandar Stavrev esteve bem disciplinarmente, sem complicar o jogo. No final, o Vitória saiu da Turquia com um desaire e leva um ponto em duas jornadas disputadas na Liga Europa. A equipa de Pedro Martins terá, num breve futuro, que aprimorar o setor defensivo, no qual são nítidas as fragilidades, principalmente no corredor esquerdo.