Grande Futebol
"Ronaldo vai calar toda a gente. Não o podemos criticar por querer ser o melhor"
Redação
2021-03-30 13:20:00
Oceano lembra que os portugueses elogiam Ronaldo "por ser um ‘animal de competição’"

Oceano Cruz, antigo capitão do Sporting, sai em defesa de Cristiano Ronaldo e diz que os portugueses estão a julgar o capitão da equipa das quinas com 'dois pesos e duas medidas'.

Depois de ver a equipa de arbitragem não validar um golo frente à Sérvia, que daria o 3-2 a Portugal, Cristiano Ronaldo dirigiu-se ao árbitro assistente e mostrou-se indignado.

De seguida, virou costas ao jogo e atirou a braçadeira de capitão ao chão, provocando uma onda de indignação em muitos portugueses, sendo que outros tantos têm admitido que compreendem que, naquele momento, Ronaldo apenas mostrou a sua frustração.

Para Oceano Cruz, é necessário pensar que aquele ato poderia acontecer a qualquer um. "Foi um ato inconsequente, foi mal pensado, mas o jogador falou logo a seguir e tenho a certeza de que o Cristiano nem pensa no que aconteceu", comentou Oceano Cruz, na Renascença, certo de que o jogador tem tido o apoio do selecionador nacional, Fernando Santos.

"Quem está por dentro sabe do apoio que o Fernando [Santos] sempre deu ao Cristiano", referiu o ex-capitão do Sporting, salientando que "no futebol só há um caminho" que é do dos triunfos. "As vitórias calam toda a gente", considera Oceano Cruz, que deixa ainda um recado aos portugueses que criticam o capitão luso por estar focado em tentar bater recordes com a Seleção Nacional.

"Elogiamos por ser um ‘animal de competição’ e querer ser melhor que toda a gente", lembrou Oceano que, nessa lógica, entende que então "não podemos criticar por ele querer ser o melhor marcador de sempre das seleções nacionais".

Recentemente, o antigo vice-presidente da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), António Boronha disse que é preciso fazer alguma coisa em relação ao momento de Cristiano Ronaldo e desafiou Fernando Santos a colocar o capitão de equipa no banco.

"Há outras coisas que já custam a digerir, como por exemplo o egocentrismo do Ronaldo e a sua perseguição pelos recordes", afirmou o ex-dirigiente da Federação Portuguesa de Futebol, salientando que Ronaldo é um vencedor que ao procurar bater recordes acaba por ficar "condicionado" no jogo "coletivo".

Fernando Santos já assegurou que está ao lado de Cristiano Ronaldo e garante que este vai manter a braçadeira de capitão da turma das quinas.

"Vai manter, vai. O Cristiano Ronaldo é um exemplo nacional. Vocês já o escreveram milhares de vezes. Em todas as conferências, quando os jovens chegam à Seleção, a primeira pergunta que fazem é sempre sobre ele e que conselhos ele deu. Se o Cristiano tivesse ofendido a Seleção, o selecionador ou os seus colegas... O que aconteceu não foi nada disto", esclareceu Fernando Santos, que não quer penalizações para o internacional luso.

O treinador diz que compreende o desagrado que Cristiano Ronaldo manifestou no momento em que acabou por atirar a braçadeira ao chão. "É um momento de grande frustração. Ele quer ganhar sempre, dá tudo pela Seleção. Viu a bola dentro da baliza e vê que não é golo... Se me perguntarem se é interessante, claro que não foi. Mas ele justificou-se."