Grande Futebol
Portugal defende sexto lugar do 'ranking' da UEFA com apenas três equipas
2020-10-17 14:00:00
FC Porto na Liga dos Campeões, Benfica e SC Braga na Liga Europa

Portugal já garantiu que terá três equipas, duas com entrada direta, na Liga dos Campeões de futebol de 2021/22, mas já só tem esta época as ‘mesmas’ três para garantir que o favorável cenário se manterá em 2022/23.

Face às eliminações de Sporting e Rio Ave, apenas FC Porto, na Liga dos Campeões, e Benfica e Sporting de Braga, na Liga Europa, defendem as cores lusas na fase de grupos das provas europeias de 2020/21.

Entre os países do ‘top 10’, Portugal é, aliás, o único só com três conjuntos, contra quatro de Rússia, Bélgica, Países Baixos e Áustria, cinco da França, seis da Alemanha e sete de Espanha, Inglaterra e Itália.

Ainda assim, as expectativas são boas, já que, nas contas das últimas cinco épocas (desde 2016/17), Portugal soma 40,949 pontos, seguindo com uma confortável vantagem sobre a Rússia, sétima do ‘ranking’, com 36,549. A Bélgica é oitava, com 32,900.

O avanço é significativo face aos russos, que, tendo perdido duas equipas (Dinamo Moscovo e Rostov), ainda contam mais uma, mas têm de dividir os pontos conquistados por seis e têm três conjuntos na muito mais exigente ‘Champions’ (Lokomotiv Moscovo, Krasnodar e Zenit) e só uma na Liga Europa (CSKA Moscovo).

Quanto às formações lusas, o FC Porto, campeão nacional em título, não é favorito no Grupo C da Liga dos Campeões, face à presença dos ingleses do Manchester City, mas é o principal candidato à conquista do segundo lugar, perante os gregos do Olympiacos e os franceses do Marselha.

Quanto à Liga Europa, o Benfica, que ‘caiu’ da Liga dos Campeões ao ser afastado na terceira pré-eliminatória pelos gregos do PAOK Salónica, tem perspetivas de fazer muitos pontos, perante Rangers, Standard Liège e Lech Poznan, no Grupo D.

Por seu lado, o Sporting de Braga também é forte candidato ao apuramento no Grupo D, que comparte com os ingleses do Leicester, os gregos do AEK Atenas e os ucranianos do Zorya.

Na presente temporada, e após as pré-eliminatórias, a Rússia soma 2,500 pontos, contra 2,000 de Portugal, sendo que precisa de recuperar ainda ‘imensos’ 4,400, para anular a desvantagem que tem para o sexto lugar luso.

Em 2020/21, os pontos que as equipas lusas somarem (dois por vitória e um por empate) são divididos por cinco (0,4 por vitória e 0,2 por empate), enquanto os russos têm de dividir os seus por seis (0,333 por triunfo e 0,166 por igualdade).

Desta forma, e só para somarem 4,400 pontos – fecharam a época passada com 4,666 -, as formações russas precisariam de somar mais de 13 triunfos e um empate, ou algo similar, como 12 vitórias e três empates ou oito vitórias e 11 empates.

Na próxima época, Portugal já sabe que terá duas entradas diretas na ‘Champions’, mais uma na terceira pré-eliminatória, uma na Liga Europa e duas nas pré-eliminatórias da nova competição, a Liga Conferência Europa.

Assim, o campeão e o ‘vice’ da I Liga 2020/21 seguem para a fase de grupos da ‘Champions’ e o terceiro para a terceira pré-eliminatória, o vencedor da Taça de Portugal ruma à Liga Europa e o quarto e o quinto vão para a nova prova, entrando na terceira e segunda pré-eliminatórias, respetivamente.