Grande Futebol
“O problema és sempre tu, nunca é Cristiano Ronaldo ou Messi”
Redação
2021-04-14 19:15:00
Higuaín e o orgulho de ser "quem mais jogou" ao lado dos dois grandes craques do futebol mundial

O internacional argentino Gonzalo Higuaín assumiu o orgulho de ser “quem mais jogou” ao lado de Cristiano Ronaldo e de Lionel Messi “e que melhor os entendeu”, ao fazer um balanço da carreira para o jornal La Nácion. Atualmente no Inter Miami, dos EUA, Higuaín recordou os tempos em que alinhou na frente de ataque com Ronaldo, no Real Madrid e na Juventus, e tinha Messi como colega de balneário na seleção de Argentina.

“Fui o futebolista que mais jogou com os dois e que melhor os entendeu. Entender o Cristiano e o Messi... O problema não são eles, és sempre tu”, afirmou: “Sabia o que gostavam e o que não gostavam, como se sentiam mais cómodos e mais incómodos. Então eles viam-me como um apoio. Quando têm ao lado um jogador em que se apoiam a 100 por cento, não se sentem desligados de todas as responsabilidades. São dois futebolistas totalmente distintos e tive o privilégio de desfrutar e de aprender com eles”.

Na Argentina, ao lado de Messi, Higuaín foi apontado como sendo “o melhor do mundo”. Mas tudo mudou quando a albiceleste perdeu com a Alemanha, na final do Campeonato do Mundo de 2014, realizado no Brasil. E foi ao recordar esse percurso que o avançado deixou conselhos Lautaro Martínez, a nova coqueluche da seleção argentina.

“Agora, Lautaro é mimado na seleção. Foi o que aconteceu comigo até à final com a Alemanha. Até 2014 fui o melhor avançado do mundo, depois desse jogo acabou tudo. Até essa altura, tinha feito nove golos nas eliminatórias, algo que ninguém diz. Esquecemo-nos que é preciso marcar golos na fase de qualificação para chegar ao Mundial. É tudo cor de rosa no início e o Lautaro... Pode chegar o momento, num Mundial ou numa Copa América, em que falha um golo chave e deixará de ser o Lautaro, vão dizer que já não serve. Diria-lhe para não pensar que nem é o melhor nem o pior”, acrescentou.

Aos 33 anos, Gonzalo Higuaín mudou-se para a Major League Soccer, o campeonato norte-americano, depois de passagens por clubes com River Plate, Nápoles, AC Milan e Chelsea, além dos já citados Real Madrid e Juventus. “As pessoas perguntam-se de que me queixo com o dinheiro todo que tenho. É verdade, mas desde os 9 anos que me sacrifico para que tudo corra bem. O dinheiro que tenho não caiu do céu, ganhei-o com suor diário. Acabas por passar os aniversários e as datas festivas com companheiros diferentes e raramente vês os teus amigos ou os teus pais. Tens de aceitar as críticas da imprensa e dos adeptos. Deixei crescer a barba, rapei o cabelo e fui notícia, mas ninguém me pergunta como estou em termos futebolísticos. Sim, o preço a pagar é alto, mas já sabia que isso ia acontecer”, finalizou.