Grande Futebol
O plano tático da Juventus para Cristiano Ronaldo
2018-07-06 18:20:00
Italianos apontam para um 4x3x1x2 com Dybala no apoio ao ataque e Mandzukic a fazer de Benzema

A iminente chegada de Cristiano Ronaldo à Juventus leva a que a imprensa italiana comece a juntar as peças e a perspetivar qual o onze da Vechhia Signora para a próxima época, com o claro objetivo de conquistar a Liga dos Campeões. Os bianconeri querem dar um salto de qualidade no ataque, com o internacional português a ser o "upgrade" do novo projeto, e já anteveem um trio formado por Ronaldo, Mandzukic e Dybala, deixando Higuain de fora dos planos. Segundo a La Gazzetta dello Sport, o avançado argentino é nesta altura mais uma fonte de rendimento e o Chelsea é um dos clubes que está na calha para o receber.

O avançado argentino apesar das críticas e de uma época menos feliz em Itália, tem mercado em Inglaterra e em Itália e a Juventus, de acordo com o Tuttosport, está confiante de que conseguirá pelo menos 60 milhões de euros por Pipita. A venda de Higuaín libertaria a Juventus de um encargo salarial na ordem dos 7,5 milhões de euros limpos, o salário mais alto da Serie A, sendo que, segundo as últimas notícias, Ronaldo rebentará com este teto ao auferir de 30 milhões de euros limpos por temporada.

Sendo assim, e e de acordo com a publicação italiana, a Juventus pensa em Mandzukic para desempenhar o papel que Benzema teve no Real Madrid na parceria com CR7. O novo papel do avançado croata, seria formar uma frente de ataque com Cristiano Ronaldo e Dybala, num sistema de 4x3x1x2 com Dybala no apoio a Ronaldo e Mandzukic. Ou, em alternativa, a formação de um tridente ofensivo onde Mandzukic seria a referência de área deixando Ronaldo a partir da esquerda e Dybala da direita, naquele que seria o regresso do avançado croata à posição central como jogava no Atlético de Madrid, onde fazia parceria com Griezmann.

Mas o que a "Gazzetta dello Sport" prevê mesmo é que o croata voltaria para a frente com a clara missão de facilitar a faceta goleadora de Ronaldo, a exemplo da dupla que o internacional português manteve com Benzema no Real Madrid e com André Silva na seleção nacional. "Um jogador que seria uma referência ofensiva, mas que cairia na ala para abrir espaço para o português e que jogaria nas costas com a clara missão de esperar pelo '7' vindo de trás ou da ala".

Mandzukic é a referência ofensiva na seleção da Croácia que mantém todos os sonhos no Campeonato do Mundo e foi sempre titular, à exceção do jogo com a Islândia, onde Andrej Kramaric foi titular. Mandzukic marcou um golo nos oitavos de final com a Dinamarca, aproveitando um ressalto de bola.