Grande Futebol
Nuno Espírito Santo doa 282 mil euros para combater pobreza em Wolverhampton
Redação
2021-01-28 23:30:00
"Queria dar algo em troca de forma a ajudar as pessoas que estão a sofrer com a pandemia"

O treinador português Nuno Espírito Santo, do Wolverhampton, da Liga inglesa de futebol, fez uma doação de 250 mi libras (cerca de 282 mil euros) para o combate à pobreza na cidade de Wolverhampton devido à pandemia.

"Os adeptos do ‘wolves’ e o povo de Wolverhampton têm sido fantásticos para mim desde que aqui cheguei, há quase quatro anos, e eu queria dar algo em troca de forma a ajudar as pessoas que estão a sofrer com a pandemia", salientou o técnico, em comunicado.

O contributo de Nuno Espírito Santo é destinado ao programa ‘Feed Our Pack’ [Alimentar a Nossa Alcateia], da Fundação Wolves, conhecidos como os ‘lobos' no mundo do futebol, que reúne várias instituições locais e arranca com uma verba de 500 mil libras (cerca de 565 mil euros).

Metade deste montante é proveniente de um fundo da Premier League, e a outra parte provém da generosidade do treinador português.

"Quando vives numa cidade, vês e ouves como as pessoas foram afetadas, mas é também uma grande cidade, onde as pessoas se ajudam e apoiam umas às outras. Este é um projeto realmente importante da Fundação Wolves", destacou Nuno Espírito Santo.

O projeto, que terá uma fase inicial de três anos, vai prestar apoio a bancos alimentares da cidade de Wolverhampton, com o objetivo de aumentar o volume de alimentos distribuídos na resposta às necessidades crescentes provocadas pela atual pandemia.

Simultaneamente, visa combater a chamada "fome das férias" através da implementação de um programa de alimentação, desporto e educação a crianças em idade escolar durante os períodos de pausa letiva.

O presidente do Wolverhampton, Jeff Shi, assumiu estar "impressionado e muito orgulhoso" desta iniciativa da fundação do clube, considerando "fantástica" a forte contribuição de Nuno Espírito Santo.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.176.000 mortos resultantes de mais de 100 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.