Grande Futebol
“Não temos mentalidade de estrelas”, destaca Paulo Fonseca
Mauro
2019-11-07 12:40:00
Técnico português e o segredo do sucesso da AS Roma, que tem conseguido uma excelente temporada

O treinador português da AS Roma, Paulo Fonseca, concedeu a sua primeira entrevista exclusiva desde que assinou pelo clube da capital italiana.

Ao diário alemão Bild, o técnico lançou a partida desta noite com o Moenchengladbach, na Alemanha, a contar para a Liga Europa.

“Vai ser um jogo com uma atmosfera fantástica, como sempre acontece na Alemanha. Sobre o Borussia, basta ver que estão em primeiro numa liga tão competitiva como a Bundesliga para perceber a sua força”, realça.

O rival de hoje é “muito forte, mesmo quando não tem bola”. E mais importante que tudo: “São uma equipa imprevisível, que usa diferentes sistemas táticos, pelo que não sei como se apresentarão neste jogo contra a Roma”.

“Temos que ter bola e manter a nossa identidade. Queremos atacar e manter a nossa ambição, mesmo estando a defrontar o líder da liga alemã. Queremos passar à próxima fase da Liga Europa no primeiro lugar, mas sabemos que será muito complicado e que eles são muito fortes e também querem passar pelo que estão obrigados a não perder connosco”, anteviu.

Paulo Fonseca falou ainda do segredo do sucesso que está a ter na AS Roma. E dedicou elogios ao plantel e ao clube.

“A atitude da equipa tem sido decisiva para este ciclo de resultados positivos. Temos tido muitas lesões que nos obrigaram a mudar muito o nosso jogo. Mas mantivemos a nossa união e com este espírito lutador acreditamos que podemos conseguir atingir os nossos objetivos. Não temos mentalidade de estrelas. No início da época disse aos jogadores que se estivermos unidos podemos ser mais fortes e estou certo que todos estão satisfeitos com a forma como jogamos pois valoriza cada jogador”, realça.

Para exemplificar esta atitude, Paulo Fonseca destacou a importância de Dzeko.

“Quando estava em conversações para prolongar o seu contrato, viu o capitão Florenzi oferecer-lhe a braçadeira dizendo-lhe que se ficasse o capitão seria o Dzeko. Foi um gesto que o Dzeko apreciou muito apesar de ter dito ao Florenzi que deveria ser ela a manter a braçadeira.O Dzeko é um enorme profissional, tenho dificuldade em encontrar as palavras certas para o elogiar. Ele não é apenas é um goleador. É um trabalhador incansável, até a defender”, afirmou.

O técnico lembrou ainda a grande penalidade mal assinalada, que custou o empate no primeiro jogo contra os alemães.

“Foi muito difícil de aceitar porque é uma situação clara. Merecemos a vitória e teríamos triunfado, se não fosse esta decisão errada do árbitro. É fundamental haver VAR numa prova como a Liga Europa, mas felizmente a UEFA já admitiu o erro e revelou que vai introduzir o VAR na Liga Europa”, concluiu.